Home»Cidade»Volta às aulas: Emefs seguem com vidros quebrados

Volta às aulas: Emefs seguem com vidros quebrados

As mesmas janelas observadas ano passado seguem sem reparos

1
Compartilhamentos
Pinterest Google+

As aulas na rede municipal começam na próxima segunda-feira (5) e algumas Emefs (Escolas Municipais de Ensino Fundamental) seguem com os vidros de várias janelas quebrados. No caso da “Marcia Helena Martini Falsete Risola”, no Jardim Chaparral, e da “Anira Franco de Campos”, no Jardim Esplanada, o problema se arrasta desde julho do ano passado. O problema é resultado da ação de atos de vandalismo.

Ano passado, a informação obtida junto à Secretaria de Educação foi que a equipe trabalhava nos trâmites para abertura da licitação que visava a contratação de vidraçaria, assim como a compra e instalação de telas de proteção. Esta semana, a Gazeta voltou às Emefs e constatou que os vidros seguem quebrados nas Emefs do Jardim Chaparral e Jardim esplanada, sendo observado o mesmo problema na Emef “Iná de Oliveira Marconi”, no Jardim Canaã.

escola esplanada anira vidros quebradosMas, desta vez, através da assessoria de imprensa, a Secretaria de Educação informou que os diretores das escolas conseguiram recursos para colocação parcial dos vidros. E que não havia previsão de quando todos os vidros quebrados seriam repostos. No entanto, as mesmas janelas observadas ano passado seguem sem reparos. Vale pontuar ainda que a Emef do Jardim Esplanada está com a pintura renovada, mas as telas de proteção constam apenas nas janelas da frente da escola, o que já havia desde o ano passado, quando os vidros de outras janelas já estavam quebrados.

A Secretaria de Educação informou também que o objetivo é o de promover os reparos com recursos do PDDE (Programa Dinheiro Direto da Escola) do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação). O PDDE destina recursos financeiros, em caráter suplementar, às escolas públicas da educação básica (e casos específicos) para uso em despesas de manutenção do prédio escolar e de suas instalações (hidráulicas, elétricas, sanitárias etc.); de material didático e pedagógico; e também para realização de pequenos investimentos. Os repasses são anuais.

Post anterior

Base da Força Tática se muda para Mogi

Próximo post

Árbitro assistente trabalha na final da Copa São Paulo