Home»Opinião»Tome Nota da edição de sábado, dia 7

Tome Nota da edição de sábado, dia 7

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Páreo duro
A disputa pela Presidência da Câmara Municipal de Mogi Guaçu segue firme e forte, mesmo durante o recesso parlamentar. A busca por votos extrapolou os corredores e gabinetes da Casa de Leis e já alcançou os arredores da Câmara. Nos últimos dias, foi comum encontrar mais de dois vereadores conversando em rodinhas em ruas próximas ao Legislativo. O assunto é único: conseguir aliados para disputar a Presidência da Casa com a garantia de vitória.

 

Viadutos
Algumas lideranças políticas estão de olho na abertura da licitação pelo Governo Federal para o início da construção dos dois viadutos em Mogi Guaçu por meio do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes). Isso porque, estas lideranças insistem em dizer que a assinatura do contrato com a empresa que irá construir os viadutos tinha de ser feita até o fim desta semana, devido às regras da legislação eleitoral. “Se extrapolar esta data, torna-se uma concessão de benefício e vai ferir a lei eleitoral. Não pode”, afirmam.

 

Muito assédio  
O empresário Marcos Antonio, presidente do PSD de Mogi Guaçu, não deverá mesmo ser candidato a deputado nas eleições gerais deste ano.  Ele tem sido procurado por líderes políticos para que seja candidato a deputado nas eleições gerais de outubro. O empresário tem ouvido as propostas, mas tem dito não a elas. Marcos Antonio teve a prestação de contas final da campanha eleitoral de 2016 rejeitada pela Justiça Eleitoral. Mas seus advogados asseguram que ele está, sim, apto a ser candidato a deputado.

 

Menos um

Quem também se desfiliou do PSDB de Mogi Guaçu foi o ex-vereador Sebastião Francisco Teodoro, o Tiãozinho, que era, inclusive, tesoureiro do diretório municipal tucano. Ele entregou todas as documentações financeiras e administrativas da sigla na cidade nas mãos do presidente interventor do PSDB guaçuano, o vereador Fábio Luduvirge Fileti, o Fabinho. Tiãozinho seguirá trilhando os mesmos caminhos do deputado estadual Barros Munhoz (PSB) de quem é um dos assessores políticos.

Post anterior

Moacir Guzoni: Por inadimplência, apartamento vai a leilão

Próximo post

Moradores de rua tiram a tranquilidade da vizinhança