Home»Opinião»Tome Nota da edição de sábado, dia 3

Tome Nota da edição de sábado, dia 3

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Cadê?

Além de tentar convencer os vereadores a votarem seus projetos, o prefeito Walter Caveanha (PTB) teve que enfrentar críticas de um munícipe durante a reunião com vereadores na Câmara Municipal. O munícipe, que também acompanhava as explicações do prefeito, cobrou Caveanha sobre a geração de empregos e queixou-se da necessidade de muitas pessoas terem que buscar emprego em outros municípios por não ter mais indústrias em Mogi Guaçu.

 

Sem chances
O prefeito até tentou responder as críticas do munícipe, mas não conseguiu concluir sua declaração devido aos ânimos que se exaltaram, já que o foco da reunião não era a geração de empregos, mas, sim, a discussão acerca dos Projetos de Lei que tratam dos R$ 23 milhões que devem ser financiados pela Prefeitura de Mogi Guaçu. Mesmo assim, o prefeito insistiu e até começou a responder ao munícipe, mas logo foi interrompido pelos demais. Por isso, o assunto não chegou a ser concluído.

 

Indeciso

O vereador Fábio Luduvirge Fileti, o Fabinho (PSDB), também confrontou o prefeito, e um dos motivos foi que na mensagem que vem anexa ao Projeto de Lei, o texto traz que a sede da Guarda Civil Municipal será construída. Já o prefeito disse na reunião que a atual sede será reformada. “Mas não é isto que está escrito aqui. Para a Câmara veio a explicação que a sede será construída e o senhor está falando em reforma. Vocês nem sabem o que querem de verdade”, esbravejou Fabinho.

 

Resistente

Quem também bateu o pé e manteve a decisão de não votar os Projetos de Lei em regime de urgência, na sessão extraordinária de quinta-feira (1º), foi o presidente da Câmara Municipal, Rodrigo Falsetti (PTB). Inclusive, alguns secretários municipais que estavam na reunião tentaram convencê-lo a recuar e votar os projetos em regime de urgência, mas a resposta foi dura e enfática: “não”! Tanto o prefeito quanto os secretários não esconderam seus descontentamentos com o posicionamento do presidente da Câmara, que até pouco tempo era tido como aliado político.  

 
 

Previous post

Gripe A: Relatório da VE aponta cinco casos confirmados

Next post

Financiamentos: Prefeito pede agilidade na votação