Home»Opinião»Tome Nota da edição de sábado, dia 21

Tome Nota da edição de sábado, dia 21

0
Shares
Pinterest WhatsApp

 Deu ruim

Os vereadores voltaram a se sentir enganados pela Administração Municipal. Ontem (20), eles participaram de sessão extraordinária para votar projeto que alterava as emendas impositivas e essas mudanças iriam beneficiar diretamente a Santa Casa, que receberia o repasse de quase R$ 500 mil. Porém, um artigo no referido projeto chamou a atenção e causou protestos entre os vereadores, inclusive entre os de situação. Para os edis, o prefeito Walter Caveanha (PTB) agiu de má-fé ao colocar que anularia valores de dotações consignados das emendas impositivas.

 

Receio

O principal receio dos vereadores é de que a Prefeitura cancele as emendas impositivas, principalmente porque as do ano de 2019 não foram cumpridas em sua totalidade, o que é exigido por lei. No próximo ano, a equipe de Caveanha terá que atender as de 2019 e as de 2020 e, por isso, os vereadores optaram por não aprovar o projeto do jeito que ele estava. Uma nova sessão extraordinária foi convocada para a próxima segunda-feira (23), e o pedido é para que o Executivo envie o projeto que beneficia a Santa Casa separado.

 

Defesa

O vereador Luís Zanco Neto tentou sair em defesa da Administração Municipal, mas acabou ouvindo. Ele chegou a insinuar que os vereadores que estavam contra o projeto poderiam ser acusados de prejudicar os funcionários da Santa Casa, uma vez que os recursos serão utilizados para pagamento de salários e do 13º. Porém, ouviu do presidente da Câmara, Rodrigo Falsetti, que ele nada poderia dizer, pois não destinou nem R$ 1 para a Santa Casa. Aliás, sete vereadores enviaram recursos: Fabinho, Rodrigo, Natalino, Pastor Elias, Luciano, Guilherme e Jéferson.

 

Sem resposta

A Gazeta solicitou uma entrevista à Secretaria de Comunicação para que o prefeito fizesse um balanço de 2019 e também falasse sobre suas expectativas para o último ano de seu mandato. Sabe qual foi a resposta? Nenhuma. Silêncio total vindo do Morro do Ouro. Aliás, um ano difícil para a comunicação da Prefeitura que não responde aos questionamentos, é morosa e, muitas vezes, desrespeitosa, com jornalistas. Profissionais que cumprem o papel de informar leitores e ouvintes, no caso da Gazeta.

Previous post

Quase 30 mil eleitores terão o título cancelado

Next post

Apresentações de música e de dança encerram Natal Luz