Home»Opinião»Tome Nota da edição de sábado, dia 2

Tome Nota da edição de sábado, dia 2

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Corredor

Não pergunte para o diretor da Viação Santa Cruz, Francisco Mazon, qual é a opinião dele sobre as obras do Corredor de Ônibus, que estão em andamento na região dos Ypês. Ele não esconde o desconforto em ter que responder ao questionamento, mas confirma que não foi procurado pela Administração Municipal para que o projeto pudesse ser apresentado. A opinião do empresário já havia sido comentada na Câmara pelos vereadores de oposição. Eles afirmam que o número de ônibus que circulam pela região não corresponde com o investimento de mais de R$ 6 milhões que a Prefeitura está fazendo no local.

 

Vai render

A sessão da Câmara desta segunda-feira (4) deve ser marcada pelos discursos mais ásperos dos vereadores, inclusive os de situação. Nesta edição, a Gazeta traz a informação sobre o corte da verba de custeio da UPA pelo Governo Federal. Os vereadores, até mesmo os aliados, têm cobrado insistentemente a reabertura da UPA no Jardim Santa Marta ao prefeito Walter Caveanha (PTB). Em véspera de eleição municipal, o assunto deve dominar o ranking das reuniões políticas e também ser a principal cobrança dos eleitores nas ruas. Por isso, tem vereador aliado à base que acredita que a reabertura da UPA aconteça no início de 2020.

 

Sumiu

O vice-prefeito Daniel Rossi (PL) não foi visto nos últimos eventos que reuniu as autoridades do município. Pessoas próximas dizem que ele está firme no propósito de disputar o cargo de prefeito nas eleições de 2020. Já outros afirmam que o vice-prefeito deu uma desanimada por conta do pouco apoio que tem recebido do grupo liderado pelo prefeito Walter Caveanha. A dúvida paira também com relação a permanência ou não do ex-prefeito Hélio Miachon Bueno (MDB) no grupo. Apesar de tudo isso, Daniel Rossi estaria bem nas sondagens de intenção de voto, feitas por vários grupos que estão de olho nas eleições do ano que vem.

 

Termômetro

Por falar nas pesquisas de intenção de voto, vale destacar que elas não são reconhecidas, pois não foram devidamente registradas junto à Justiça Eleitoral. Mas são usadas para as discussões políticas e definições de grupos. Por meio dessas sondagens é possível saber, por exemplo, como anda a rejeição desse ou daquele candidato e qual área está influenciando negativamente. E a Saúde não estaria ajudando o 4º andar da Prefeitura.

 

 

Previous post

Prefeitura perde verba de custeio da UPA

Next post

Novo repasse visa pagar impostos e 13º