Home»Opinião»Tome Nota da edição de sábado, dia 19

Tome Nota da edição de sábado, dia 19

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Tentativa

Os funcionários que trabalham em Mogi Guaçu por meio do Consórcio Intermunicipal Cemmil – Pró Estrada estão bravos e dispostos a protestarem contra a decisão da Prefeitura de romper o contrato. Eles, inclusive, já estão com os nomes dos vereadores em mãos e buscando o apoio de um por um, a fim de tentar reverter a decisão de rompimento de contrato. “A gente sabe que o vereador tem limite no trabalho dele, mas queremos que pressionem, porque vamos pressioná-los”, afirmaram.

 

Animados

E, por falar em vereadores, alguns deles estão ansiosos para retornar às sessões legislativas e até dizem aos quatro cantos que estão contando os dias para isso. Tudo porque, a nova Presidência da Casa, assumida pelo vereador Rodrigo Falsetti (PTB), parece ter trazido novo ânimo aos edis. Eles já estão com vários projetos de lei, requerimentos e indicações prontos para serem apresentados e ainda prometem pegar pesado nas exigências e cobranças que serão feitas ao Governo Municipal ao longo de 2019.

 

Quem quer?

O ex-prefeito Hélio Miachon Bueno ainda permanece filiado ao MDB, mas especula-se que ele esteja sondando outros partidos para migrar. E o motivo não é o fato do MDB de Mogi Guaçu ser presidido pelo médico e também ex-prefeito Paulo Eduardo de Barros, o Dr. Paulinho. Rixas políticas à parte, Hélio estaria de olho na Câmara Municipal, porque tem interesse de ajudar eleger vereadores que possam servir de apoio ao próximo Governo Municipal que assumirá em 2020.

 

Articulações

Explica-se. Em 2020, com a saída do prefeito Walter Caveanha (PTB), há chances do vereador Rodrigo Falsetti (PTB) conseguir ser eleito prefeito com o apoio de Miachon, como aconteceu em 2016, quando Rodrigo se elegeu vereador com o apoio do emedebista. Por causa disso, o ex-prefeito já pensa em articular nomes que possam se eleger vereador e compor a base aliada ao possível Governo Municipal e, portanto, Hélio quer estar filiado à mesma sigla destes candidatos, já que Rodrigo não pode deixar o PTB por questões de fidelidade partidária.

 

Post anterior

SAP ainda apura se Mogi Guaçu irá firmar contrato com o Estado

Próximo post

Editorial: Limpeza é responsabilidade de todos