Home»Opinião»Tome Nota da edição de sábado, dia 11

Tome Nota da edição de sábado, dia 11

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Visitas

A sessão da Câmara da última segunda-feira (6) contou com as presença dos ex-vice-prefeitos Marçal Georges Damião (SD) e do professor Geraldo Ferreira Gonçalves. Os dois, que também já ocuparam uma cadeira na Câmara Municipal, preferiram acompanhar os discursos dos vereadores da galeria da Casa de Leis e sentaram lado a lado. Professor Geraldo foi acompanhar a apresentação realizada pela Associação Afro Guaçuana, que utilizou a tribuna popular, e Marçal tem acompanhado os trabalhos dos vereadores e não esconde que é candidatíssimo a prefeito em 2020.

 

Estresse

Os vereadores da situação não gostaram da atitude dos vereadores Guilherme da Farmácia (PSD) e Natalino Tony Silva (Rede), que se retiraram do plenário na hora da votação do projeto do Executivo que autorizava o repasse do índice da inflação para os servidores. Tanto Guilherme quanto Natalino fizeram questão de explicar que a atitude seria tomada como forma de protesto ao projeto por não concordarem com o fato de a categoria não ter aumento real. Após algumas alfinetadas em tribuna, o vereador Fabinho (PSDB) saiu em defesa dos colegas e disse em alto e bom tom que o voto deve ser respeitado. “Cada um é dono do seu voto”, disse.

 

Próximos

Sem liderança na Câmara, o prefeito Walter Caveanha (PTB) tem contado com as defesas de quatro vereadores: Pastor Elias (PSC), Luís Zanco (PTC), Jéferson Luís (PROS) e Thomaz Caveanha (PTB). Eles têm se revezado em tribuna para responder as críticas da oposição ou dar informações que foram repassadas pela Prefeitura. Mas, nos bastidores, a informação é de que o vereador Jéferson Luís voltou a ficar próximo do prefeito e pode voltar a assumir o posto de líder. Parece que a conversa entre eles foi boa.

 

No azul?

A falta de dinheiro na Prefeitura tem sido uma reclamação constante quando o assunto é realizar novos investimentos. Até mesmo os serviços básicos, como limpeza urbana, foram prejudicados por conta da escassez de recursos. Porém, essa mesma justificativa não foi usada para que o prefeito fizesse as duas novas nomeações de cargos comissionados. Na Saama (Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Meio Ambiente), foi nomeado o engenheiro Pedro Luís Mendes de Sousa e na Secretaria de Governo, o ex-presidente da CML, Humberto Cinquini Neto, o Beto. Os cargos estavam vagos e o salário é de pouco mais de R$ 10 mil.

Post anterior

Artigo: Mamãe, mamãe, mamãe!...

Próximo post

SER MÃE É?: “A melhor coisa do mundo”