Home»Destaque na Home»Sindicalistas da cidade aderem à manifestação contra Reforma da Previdência

Sindicalistas da cidade aderem à manifestação contra Reforma da Previdência

0
Shares
Pinterest WhatsApp

A Direção do Sindiçu (Sindicato dos Servidores Municipais de Mogi Guaçu e Região) está liderando, em Mogi Guaçu, a manifestação contra a reforma da Previdência, que também acontece, nesta sexta-feira (14), em todo o país.

Em Mogi Guaçu, a manifestação será feita a partir das 16 horas, em frente ao antigo Hotel Tágua, na região central.

O presidente do Sindiçu, Waldomiro Sutério, o Miro, disse que a reforma da Previdência proposta pelo atual Governo Federal atinge diretamente aos trabalhadores do país que só perdem, ao mesmo tempo que protege os grandes empresários e banqueiros. “Isso faz com que a gente vá às ruas e manifeste nossa oposição contrária a esta reforma da Previdência. O que queremos é que o Governo Federal reveja essa situação e não mexa com os trabalhadores, com nossos direitos trabalhistas, enfim, que refaça essas mudanças que ele quer impor a todos nós”, observou Miro.

O presidente do Sindiçu deixou claro que, em Mogi Guaçu, não se trata de uma greve geral como irá acontecer em alguns lugares do país, mas, sim, de uma manifestação em defesa do direito de aposentadoria e o repúdio à proposta de emenda à Constituição, da Reforma da Previdência.

Para o sindicalista, um dos temores da reforma da Previdência ser aprovada da forma como ela está sendo apresentada é que o atual Governo Federal, liderado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), quer mexer no bolso e nos direitos dos trabalhadores para conseguir indiretamente atingir alguns grandes empresários.

Miro diz que o presidente Bolsonaro tem um projeto de fazer uma transformação no Brasil, mas sem mexer diretamente nos interesses dos industriários e empresários do país. “Porque se o Bolsonaro fizer isto, com certeza, ele corre o risco de ter seu projeto político derrubado ou ser alvo de uma cassação de mandato e ele vai perder toda a trajetória que está fazendo. Então, ele quer envolver também os trabalhadores que já ganham pouco e precisam ter garantido seus direito trabalhistas para sobreviver no futuro”, opinou Miro.  

Vale ressaltar que, em Mogi Guaçu, todos os sindicatos foram chamados para participar dessa manifestação nesta sexta-feira, às 16 horas, e muitos deles concordaram em comparecer com exceção do Sindicato dos Bancários que vão concentrar as manifestações somente na região central de Campinas. Portanto, em Mogi Guaçu o atendimento bancário ao público será feito normalmente nesta sexta-feira (14).

 

 

 

 

 

 

Previous post

GCM detém adolescente por tráfico de drogas

Next post

Traficante é preso com pinos de cocaína e pedras de crack