Home»Cidade»Secretário da Saama diz que não concorda com pesquisa

Secretário da Saama diz que não concorda com pesquisa

Secretário diz estar à disposição com equipe técnica da Saama

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Na semana passada, foram divulgados dados sobre desmatamento nas 10 maiores cidades da região de Campinas (SP) apontando que Mogi Guaçu aparece em 2º lugar na perda de área florestal, em uma década. Em 1º lugar aparece Limeira. A informação chamou a atenção do vereador Guilherme de Sousa Campos (PSD), o Guilherme da Farmácia (PSD), que quer saber quais os planos da Saama (Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Meio Ambiente) sobre o assunto.

“Vou enviar um ofício ao secretário da Saama para que ele compareça à Câmara Municipal ou marque uma reunião para explicar o quê a Pasta pensa sobre isto e quais as medidas que estão ou serão tomadas sobre este fato”, detalha o vereador referindo-se a Pedro de Souza Mendes. Para Guilherme, a questão é preocupante e este cenário precisa ser revertido, ou seja, o assunto não pode ser deixado de lado e precisa ser discutido com as autoridades municipais.

O levantamento ao qual o vereador se refere foi feito pelo MapBiomas, organização que envolve ONGs, universidades e empresas e acompanha as alterações em áreas de vegetação nativa de todo o país. Os dados mostram que Limeira tinha 6.270.99 hectares de formação florestal em 2007, e essa área caiu para 4.616.01 em 2017, uma diminuição de 26,39% em 10 anos.

Entre as 10 maiores cidades da região, Mogi Guaçu aparece em segundo lugar, onde a área de matas nativas reduziu 17% no período, e Indaiatuba (SP) em terceira posição, perdendo 5%.

O responsável pela Saama, Pedro Luís Mendes de Souza, disse que, juntamente com a equipe técnica, está à disposição dos vereadores para responder sobre as questões ambientais do município. Quanto à pesquisa, ele observa que é necessário conhecer os critérios utilizados e analisa que os dados da Pasta não apontam para esta situação.

Pedro coloca que a Saama tem um viveiro de mudas que poucas cidades possuem o que possibilidade a distribuição gratuita à população, sendo destinadas para o plantio em calçadas, mas também nas propriedades rurais. “Distribuímos uma média de 200 mudas por mês, o que representa cerca de 2.400 mudas por ano e 24 mil no período de 10 anos”, exemplifica.

Pedro

O secretário atenta que é preciso considerar o crescimento do município nos últimos 10 anos, que é o período abrangido pela pesquisa. “Foram muitos loteamentos aprovados e todos com o cuidado de reservar 20% de área verde. Precisaria saber se estes dados da pesquisa consideram ainda a área da Fazenda Campininha, alvo de queimadas quase todos os anos, além das áreas destinadas à agricultura”, analisa.

Previous post

3ª Divisão: Rodada da seletiva teve 26 gols marcados

Next post

Poda tem chamado a atenção e a gerado algumas críticas