Home»Cidade»Samae assina contrato com Senac para realização de curso

Samae assina contrato com Senac para realização de curso

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

O Samae (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto) contratou o Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) para ministrar cursos do projeto social das obras de reforma e ampliação da ETA (Estação de Tratamento de Água) do Jardim Bela Vista.

O documento foi assinado pelo superintendente da autarquia, Elias Fernandes de Carvalho, e o diretor do Senac local, Marcelo Paganini da Cunha. O valor do investimento é de R$ 116.795,95. O projeto social é previsto para obras financiadas com recursos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e outros programas de investimentos sociais do Governo Federal, como o programa Minha Casa, Minha Vida.

O Senac foi contratado para a terceira fase do projeto social e abrirá inscrições para iniciar os cursos tão logo o Samae conclua a nova licitação para a retomada das obras, o que deve ocorrer em aproximadamente 60 dias.

O prazo do contrato é de 16 meses. Serão ofertados cinco cursos para as comunidades da Zona Leste. Alguns cursos serão ministrados na escola do Senac e outros no CRAS (Centro de Referência em Assistência Social) da Zona Leste, localizado no Jardim Zaniboni I. Os cursos são direcionados a adultos e jovens das comunidades abrangidas, com idade a partir de 16 anos.

 obras eta

OBRA PARADA

A ampliação da ETA esta interditada desde o final de 2017. Isto porque, a Construtora Cappellano não cumpriu com o calendário de execução da obra. Com isto, a empresa está proibida de participar de licitações em Mogi Guaçu. Depois deste fato, a planilha da nova licitação foi enviada para análise da Caixa Econômica Federal. A obra é realizada com recursos a fundo perdido do OGU (Orçamento Geral da União).

A reforma da ETA inclui nova caixa de recepção de água bruta e novo tanque de reaproveitamento da água de lavagem dos filtros. A ampliação da ETA está orçada em R$ 14 milhões, sendo cerca de R$ 8,5 milhões a fundo perdido, repassados pela Caixa Econômica Federal, e R$ 5,5 milhões do Samae.

Post anterior

Editorial: Segurança à la Moro

Próximo post

Mogi Guaçu reduz número de óbitos nas vias urbanas