Home»Cidade»Reeducandas do sistema semiaberto pintam escola

Reeducandas do sistema semiaberto pintam escola

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

A escola estadual “Zenaide Franco de Faria Mello”, no Jardim Santo André, é uma das nove escolas da região de Campinas que recebem nova pintura em projeto com reeducandos do sistema semiaberto. Neste semestre, 38 municípios foram selecionados. Tudo através do programa Via Rápida Expresso, que oferece aulas práticas em equipamentos públicos.  

De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria de Educação do Estado, 53 unidades em 38  municípios participam do programa Via Rápida Expresso de qualificação profissional. O serviço será feito por 1.700 reeducandos do sistema semiaberto e selecionados para o programa.

A ação é uma parceria entre as Secretarias estaduais de Educação, Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação e a SAP (Secretaria de Administração Penitenciária). No início do ano, outras 48 unidades participaram do projeto. E nesta ocasião, a escola estadual “Ângela Maria da Paixão Costa”, no Jardim Boa Esperança, estava entre as unidades que receberam melhorias. 

Os cursos possuem dois módulos, divididos em 25/horas de aulas teóricas e 75/horas de práticas. Essa última é realizada nas escolas. Os municípios foram escolhidos de acordo com a demanda de reeducandos na região. A previsão é que as pinturas de muros, salas de aula, pátios, quadras e banheiros terminem antes do retorno dos alunos, em 31 de julho.

 

OUTRAS MELHORIAS

Além disso, em 2017, as mais de 5 mil unidades da rede paulista receberam juntas R$ 34,7 milhões para a realização de serviços de prevenção e reparos em prédios escolares do ensino fundamental (Ciclos I e II) e ensino médio, e as unidades do Centros Estaduais de Educação de Jovens e Adultos. O valor por unidade é calculado a partir do número de alunos matriculados.

Com o repasse, as escolas podem contratar os serviços de limpeza da caixa d’água, fiação elétrica, revestimentos, conserto de vidros, janelas e esquadrias. Para intervenções de maior complexidade e que necessitam do acompanhamento de laudos e engenheiros – como a construção de quadras e ampliação de prédios –, a Diretoria Regional de Ensino realiza um processo diferente que envolve uma autorização feita pela Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE). (CHSM com informações da assessoria de imprensa da Secretaria de Educação)

Post anterior

Vandalismo: Emef tem vários vidros quebrados

Próximo post

Corpo de Bombeiros pedirá autorização para capacitação