Home»Política»PTC cogita nome de Zanco para candidato a deputado federal

PTC cogita nome de Zanco para candidato a deputado federal

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

O presidente da Câmara, Luís Zanco Neto, o Zanco da Farmácia (PTC), admitiu que está sendo cogitado pelo partido para ser candidato a deputado federal nas eleições gerais, em outubro. Mas ele não está convicto de que irá aceitar. “A pressão está grande, mas eu, particularmente, não quero”, afirmou.

Em março, Zanco irá conversar com a Executiva Estadual do PTC sobre este assunto e definir o rumo político que irá trilhar. “A única certeza que tenho é que não serei candidato a deputado estadual. Isso eu já deixei claro para o partido”, frisou.

O nome de Zanco era um dos que estavam sendo sondados para a candidatura a deputado federal desde o fim do ano passado. Porém, ele não comentava sobre o assunto alegando que ainda não sabia o posicionamento do PTC. “Agora, a sigla – que tem representatividade em todo o Estado – está insistindo para que eu seja candidato a federal, mas não quero ceder a essa pressão”, comentou.

Por enquanto, em Mogi Guaçu, o único pré-candidato a deputado federal que confirmou seu nome é o vereador Rodrigo Falsetti (PTB), que deverá fazer dobradinha política com o deputado estadual Campos Machado (PTB), que tentará a reeleição.

 

Concurso

O presidente da Câmara também confirmou que dos 10 convocados do concurso público da Casa de Leis, cinco recusaram as vagas e um convocado está aguardando parecer jurídico. No cargo de Agente de Segurança, são três vagas, mas um convocado recusou assumir o cargo. Também desistiram de assumir a vaga os convocados para os cargos de Oficial de Manutenção e Reparo e de Operador Técnico de Som e Imagem. Ambos os cargos têm uma única vaga. Já para o cargo de telefonista, são duas vagas e ambas as convocadas desistiram de assumir.

A única pendência é para o cargo de Agente de Zeladoria. Com apenas uma única vaga, o convocado aceitou, porém ele é professor aposentado pelo Governo do Estado. Portanto, é necessário um parecer jurídico que dê o aval para sua admissão no cargo.

Com isso, a Câmara Municipal irá convocar os aprovados na 2ª colocação do concurso público para que preencham as vagas recusadas. A convocação deverá ser feita já na próxima semana.

Para o presidente da Câmara, a principal razão para que os convocados tenham desistido de assumirem suas respectivas vagas é o baixo valor do salário. “Não tenho dúvidas de que o salário baixo é o principal motivo. Porque muitos dos candidatos aprovados residem em outras cidades da região e não compensa trabalhar em Mogi Guaçu, justamente porque o salário pago é baixo”, alegou Zanco.

Post anterior

Conselheiros tutelares são ignorados por Caveanha

Próximo post

Tome Nota da edição de sábado, dia 27