Home»Cidade»Pronto Socorro: Dedetizador reclama de atendimento

Pronto Socorro: Dedetizador reclama de atendimento

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Com o pé esquerdo enfaixado, Thiago da Silva de Oliveira Lima diz que foi tratado com descaso no Pronto Socorro do Hospital Municipal “Dr. Tabajara Ramos”, na manhã da última quarta-feira (12). Ele chegou ao local por volta das 6 horas para passar por ortopedista, conforme havia sido orientado na noite de terça-feira (11), quando também esteve no Pronto Socorro porque estava com muita dor no pé machucado.

Ao contrário do primeiro atendimento que obteve no dia 3, quando se machucou ao cair no banheiro da casa em que reside, Thiago diz que sequer conseguiu passar por avaliação médica. Isto porque, outra funcionária disse que não havia ortopedista às quartas-feiras. “Mandaram a gente até ir mais cedo para ser atendido e depois falam que não tem ortopedista?”, reclama.

Trabalhando como dedetizador, ele diz que pediu à enfermagem se poderia fornecer uma declaração de que só teria consulta com ortopedista na próxima terça-feira (18). O receio é perder o emprego. Thiago diz que também quer saber por quanto tempo deve permanecer com o pé imobilizado. “Não posso trabalhar porque não consigo colocar o pé no chão, mas não tenho nada para justificar a falta no trabalho”, comenta.

thiago reclamacao pronto socorro

A esposa de Thiago, Aparecida Rariele de Oliveira Lima lembra que, além da falta de atendimento, a orientação no pronto socorro foi de que levasse o marido ao posto de saúde. Rariele e o marido não foram ao posto do bairro, pois alegam que o tempo de espera por consulta é de 20 dias, no mínimo. “Todo mundo sabe que a gente não consegue consulta no mesmo dia no posto. E Pronto Socorro não é para isso?”, questiona.

Segundo o superintendente do HM, José Carlos de Carli Junior, o paciente de fato esteve no hospital na última terça-feira, quando não aceitou fazer uso do medicamento prescrito. Na quarta-feira, quando retornou ao PS, ele queria atestado para sete dias, mas foi fornecido apenas para um dia, conforme previsto em lei.

Quanto à confusão de retorno sobre o dia do ortopedista, de Carli diz que pode ter acontecido, mas frisou que o paciente não deixou de ser atendido.

 

 

Post anterior

Traficante é preso com pinos de cocaína e pedras de crack

Próximo post

Morador de rua atropelado não resiste e morre