Home»Destaque na Home»Polícia Ambiental flagra pesca ilegal e apreende embarcações

Polícia Ambiental flagra pesca ilegal e apreende embarcações

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Neste final de semana, o trabalho da Polícia Militar Ambiental resultou em várias apreensões relacionadas à pesca ilegal.

Na sexta-feira (26), foi iniciada a “Fiscalização Pré-Piracema” náutica com o objetivo de preservar os recursos pesqueiros no trecho do Rio Mogi Guaçu inserido nos municípios de Mogi Guaçu e Conchal. A fiscalização contou com duas embarcações, duas viaturas terrestres com a equipe do tenente Ivo, policiais ambientais Ramiro, Godoy, Nilton, Everaldo, Ezequiel, Da Silva e soldado Mafra.

Em 20 horas navegadas foram feitos cinco flagrantes de pesca ilegal que resultou na apreensão de seis quilos de pescado, 250 metros de rede, cinco caniços simples, doze armadilhas proibidas do tipo “covo” ou “barduelo”, duas embarcações e um motor de popa.

policia ambiental

Um dos flagrantes de pesca ilegal foi no sábado (27), em Martinho Prado Júnior, com a apreensão de uma embarcação e um motor de popa. Um indivíduo foi pego pescando ilegalmente com três redes de pesca que são destinadas apenas para a categoria de pescador profissional.

O homem abordado, não apresentou documento que comprovasse tal condição e também estava utilizando de forma irregular uma embarcação de pequeno porte modelo “Mogi Mirim” acoplado motor de popa Yamaha 8HP.

policia ambiental

As redes, o barco e o motor foram apreendidos. Já o infrator responderá na esfera penal pelo crime ambiental.

Em outro trecho do rio, mas inda em Martinho Prado, outro indivíduo foi pego pescando de forma ilegal. Ele estava usando uma rede destinada apenas a profissionais e uma embarcação de pequeno porte modelo “Mogi Mirim”. Ele também não apresentou documentação que comprovasse a regularidade da atividade e os produtos foram apreendidos e ele responderá por crime ambiental.

A “Fiscalização Pré-Piracema” terminou com os policais ambientais localizando e apreendendo 250 metros de rede de espera com malhagens diversas, doze armadilhas proibidas do tipo “covo” ou “barduelo”.

policia ambiental

 

Previous post

GAZETA GUAÇUANA, 27 de outubro de 2018

Next post

Estado lança a Nota Fiscal Paulista da Cultura