Home»Destaque na Home»Para oposição, projeto cria cargo na Faculdade Municipal

Para oposição, projeto cria cargo na Faculdade Municipal

Vereadores discutiram projeto do Executivo na sessão de segunda-feira, dia 29

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Outro projeto que causou discussão na sessão da última segunda-feira (29) foi o que altera dispositivos de duas leis complementares referentes à Faculdade Municipal “Professor Franco Montoro”. A lei complementar de autoria do Executivo muda a nomenclatura de dois cargos já existentes. Os cargos de diretor geral e de vice-diretor geral ficam redenominados para diretor administrativo e diretor acadêmico, respectivamente. “Referida propositura tem por objetivo alterar a estrutura de Administração da Faculdade Municipal nos moldes indicados e requeridos pelo Conselho Estadual de Educação”, trouxe trecho da explicação do prefeito enviada à Câmara.

O vereador Fábio Aparecido Luduvirge Filetti (PSDB) chegou a apresentar requerimento para adiar a votação em 30 dias, mas o pedido foi rejeitado pela maioria dos vereadores. Ele, inclusive, protocolou ofício no Conselho Estadual da Educação para pedir informações sobre a Faculdade Municipal. “Fui ao Conselho Estadual da Educação e pedi informações para saber se foi o Conselho que requereu essa mudança, mas ainda aguardo a resposta”, comentou.

Fabinho
Fabinho

Para os vereadores da oposição, a mudança cria uma despesa para a Faculdade Municipal, uma vez que o cargo de vice-diretor estava vago. Agora, o de diretor acadêmico será ocupado pela professora doutora Renata Mauri. “Esse projeto da faculdade precisa ser melhor debatido. É papel do Legislativo buscar as informações e sempre faltam informações nos projetos enviados a esta Casa”, reclamou Guilherme da Farmácia.

O vereador Luciano Firmino Vieira, o Luciano da Saúde (PP) saiu em defesa da Administração Municipal e informou, em tribuna, que a lei municipal não estava adequada para a nova realidade da “Franco Montoro”. “A administração não sabia da necessidade da criação desse cargo e a nossa lei não estava adequada e, por isso, o tempo está sendo mais curto para essa aprovação”, informou.

Apesar das discussões, o projeto do Executivo foi aprovado por 7 votos. O agora diretor administrativo da Faculdade Municipal, Márcio Antônio Ferreira, explicou que a mudança foi somente na nomenclatura dos cargos e que já acumulava desde 2013 o cargo de vice-diretor. Mas, segundo ele, o cargo de diretor acadêmico é necessário. “Foi somente uma atualização e eu ficarei mais com a parte administrativa e a Renata (Mauri) ficará com toda a parte acadêmica da faculdade. Ela foi escolhida pelo corpo docente e será nomeada para ocupar o cargo”, ressaltou Márcio ao comentar que também responde interinamente pela presidência da Feg (Fundação Educacional Guaçuana).

O salário do diretor administrativo é o mesmo dos secretários município, pouco mais de R$ 10 mil e o do diretor acadêmico será de cerca de R$ 7 mil. Renata já foi apresentada aos vereadores e sua nomeação é esperada para os próximos dias, isso se não ocorrer neste final de semana.

Post anterior

Editorial: Combate à dengue sofre derrota

Próximo post

Mês de maio traz cinco sessões do Tela Viva