Home»Destaque na Home»Obras de Mobilidade Urbana são metas para 2019

Obras de Mobilidade Urbana são metas para 2019

Alargamento da Avenida Nico Lanzi e construção do corredor de ônibus são prioridades

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Quanto às obras para 2019, a expectativa do Governo Municipal é pela liberação de quase R$ 40 milhões por meio da linha de crédito do FINISA (Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento) e do Programa Avançar Cidades, ambos do Governo Federal. Segundo o secretário municipal da Fazenda, Roberto Simoni, o FINISA está em vias de ser assinado entre estes últimos dias de 2018 e os primeiros dias de 2019. “Já está tudo encaminhado e estamos esperando apenas a Caixa Econômica Federal nos chamar para assinar esta linha de crédito do FINISA. Estávamos esperando que isso fosse acontecer nesta semana, mas, por enquanto, não chamaram”, contou.

Vale ressaltar que a linha de crédito do FINISA (Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento) no valor de R$ 10 milhões será utilizada em três setores: pavimentação asfáltica completa da Avenida Nico Lanzi, compra de três caminhões de lixo e construção de um prédio anexo na Faculdade Municipal “Professor Franco Montoro” para uso do curso de Medicina, que terá início em março de 2019.

Já o Programa Avançar Cidades ainda deverá demorar alguns meses para ser assinado pelo Governo Municipal e a Caixa Econômica Federal por ter trâmites mais complexos. “Mas também está bem encaminhado e não deverá demorar muito, não. É uma das liberações que a Prefeitura mais espera porque vai tratar diretamente da mobilidade urbana, porque dentro de alguns anos será um transtorno sair do trabalho às 18 horas e não conseguir atravessar o centro da cidade para chegar em casa”, observou o secretário.

Obra paralisada
Obra paralisada

O Programa Avançar Cidades prevê um empréstimo de R$ 29 milhões exclusivos para investir na mobilidade urbana de Mogi Guaçu com a construção de duas pontes na região central; duplicação da Avenida Brasil, obras de melhorias na Avenida dos Trabalhadores, construção de ciclovias em várias ruas e avenidas da cidade e ainda um corredor de ônibus.

No entanto, o Governo Municipal já tem um Plano B, caso o a assinatura destas duas linhas de crédito demorem muito para ser feita devido às futuras decisões do Governo Federal. De acordo com Roberto Simoni, a Prefeitura já tem em caixa um valor aproximado de R$ 6 milhões que foram conseguidos por meio das vendas dos terrenos no bairro Residencial Ypê Amarelo. Este montante está sendo reservado para a duplicação e recapeamento da Avenida Nico Lanzi e também para a construção do corredor de ônibus, na região do Ypê Amarelo. “O dinheiro será dividido entre estas obras, caso as linhas de crédito demorem muito para serem liberadas. Daí, estas duas obras citadas vão ser feitas com recursos próprios da Prefeitura. Mas a meta é não utilizar esse valor de R$ 6 milhões para isso, não. O objetivo é utilizar as linhas de crédito e destinar esse recurso próprio para outras obras na cidade, principalmente de mobilidade urbana”, ressaltou Roberto Simoni.

Vale ressaltar que as emendas impositivas apresentadas pelos vereadores serão atendidas desde que sejam exequíveis, ou seja, passíveis de serem feitas pela Prefeitura em conformidade com a importância e os valores de custo destas obras. Para atender estas emendas, o Governo Municipal já reservou para 2019 o valor de R$ 6 milhões.

Post anterior

Maria Benedita: Uma lição sobre o Natal, aos 99 anos

Próximo post

Dona Carolina: 100 natais vividos com muita fé!