Home»Cidade»Município tem 28 áreas públicas invadidas

Município tem 28 áreas públicas invadidas

Saama inicia ações para retomada das áreas invadidas; a primeira aconteceu no Parque dos Eucaliptos II

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Levantamento da Saama (Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Meio Ambiente) aponta que há 28 áreas invadidas no município, sendo que nove delas deram origem a processos que estão sendo conduzidos pela Secretaria Municipal de Negócios Jurídicos. Isto porque, há locais em que o invasor praticamente formou uma propriedade rural sobre a área pública.

O responsável pela Saama, Pedro Luiz Mendes de Souza, adianta que a Pasta iniciou ações para intervir nestas áreas. Uma delas foi realizada esta semana no Parque dos Eucalipos II, onde uma cavalariça construída irregularmente em área institucional foi derrubada no início da tarde de terça-feira (3). A ação foi resultado de denúncia feita à Saama por um morador do bairro.

Como o denunciante não mencionou nomes, o proprietário da cavalariça não foi identificado. A derrubada da estrebaria foi feita com o uso de retroescavadeira pela equipe do Consórcio Cemmil que presta serviços à Prefeitura. No momento da ação não havia animais no local.

Pedro enfatizou que esta é apenas uma das muitas ações que serão realizadas nas áreas verdes, APPs (Áreas de Proteção Permanente) e áreas institucionais que estão sendo ocupadas irregularmente. “Neste caso, em específico, o bom é que há moradores interessados em ajudar a cuidar da área. E isso é muito importante porque representa uma forma de impedir que estas ocupações aconteçam”, disse.

O fiscal ambiental Cleófas Vianna adianta que outras ações acontecerão porque a Saama tem conhecimento de todas as áreas em que existe este tipo de problema, sendo a ideia realizar ao menos uma ação por mês. A ação no Parque dos Eucaliptos II teve o apoio da GCM (Guarda Civil Municipal). Os casos mais graves mencionados pelo fiscal ficam nos Jardim Suécia II e no Jardim Zaniboni, onde cavalariças foram construídas em área atrás dos postos de saúde de ambos os bairros.

Outro problema apontado é que muitas destas áreas acabam também servindo para o esconderijo de drogas, pois em uma delas já foram encontrados pinos de cocaína. Há alguns anos, uma cavalariça foi retirada de área no Jardim Santa Madalena. Neste caso, em específico, as baias chegavam até mesmo a serem alugadas.

 

Previous post

UPA reabre em março, diz vereador

Next post

Comédia traz crianças e adolescentes no elenco