Home»Destaque na Home»Moradores e trabalhadores da Graminha são alvos de ladrões

Moradores e trabalhadores da Graminha são alvos de ladrões

Constantemente homens encapuzados e armados são vistos na região e roubam produtos agrícolas e maquinários

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Os moradores do bairro rural da Graminha estão sendo alvos de uma onda de assaltos. De acordo com um fazendeiro que prefere não se identificar, toda semana homens encapuzados e com armamento pesado aparecem na região para roubar óleo diesel, veneno, insumo, veículos, maquinários e tratores. “Desde o início do ano, eu já fui assaltado várias vezes, tanto que já me roubaram oito tratores, sendo que nenhum deles foi recuperado até o momento. Também estou tendo prejuízo com meus funcionários que já foram rendidos no pomar e com medo de ficar trabalhando me pedem as contas e vão embora”, lamentou.

Cansado de vivenciar tanta violência, o homem, que há quase 50 anos tem propriedade no local, cobra das autoridades uma posição. “O policiamento na Graminha precisa ganhar uma atenção a mais. Os patrulhamentos feitos por aqui fizeram os assaltos do período da noite acabar, mas agora, os ladrões estão agindo de manhã”, explicou.

Para minimizar a situação de segurança do local, o fazendeiro acredita que o bairro precisa ter uma base policial. “Há alguns anos, já levantaram a hipótese de instalar na Graminha uma delegacia no prédio da antiga escola. Eu acho que estamos precisando disso, da polícia mais perto de nós. Na manhã da última terça-feira (23), meu vizinho foi assaltado e levaram a caminhonete dele”, desabafou.

 Produtos Roubo Recuperados Polícia Milita

Assaltos recentes

No último dia 15, o GPS de um trator roubado de um sítio localizado na Graminha entregou o destino de um dos assaltantes que invadiu a propriedade com outros quatro indivíduos. A vítima do assalto avisou a Polícia Militar que estava monitorando o GPS do veículo e que o sistema mostrava que o trator estava nas proximidades. Com isso, os policiais fizeram buscas e encontraram o trator estacionado na frente de um sítio, em Engenheiro Coelho. Um homem foi preso.

Já por volta das 20h30 do dia 18, uma quinta-feira, um tratorista e sua família foram mantidos refém por quase oito horas no sítio em que moram. Eles foram rendidos por três homens armados e encapuzados que anunciaram um assalto. A vítima e seu cunhado foram mantidos pelo trio na área de lazer do sítio, enquanto o restante dos familiares ficou refém dentro de um quarto. Os assaltantes só foram embora às 4 da manhã, levando dois tratores de um barracão, um da marca Valtra de cor amarela e outro da marca New Holland.

POLICIAMENTO

Região é patrulhada diariamente pela GCM e PM

O comandante operacional da Guarda Civil, Claudemir Adorno da Costa, disse que não pode negar que a região da Graminha está sendo alvo de assaltantes. No entanto, ele enfatizou que todas as solicitações feitas pelos moradores são atendidas pela GCM. “O patrulhamento na região foi intensificado, nós estamos até dando prioridade para a Graminha com relação a outras áreas rurais. Além disso, a Guarda Civil realiza operações de bloqueio no bairro”, completou o comandante.

Adorno
Adorno

O encarregado pela Patrulha Ambiental da GCM, Geraldo, reafirmou a presença diária da GCM no bairro rural e lamentou não poder coibir os assaltantes. “Eu sempre estou na Graminha e uma hora ou outra que a gente se deparar com uma situação estaremos pronto para agir, mas infelizmente foge do nosso controle coibir os crimes”.

O guarda civil ainda disse que a falta de uma torre de celular deixa os assaltantes mais confiantes para agir, já que o sinal no local é ruim e dificulta a comunicação com a polícia. “Uma sugestão para ajudar a combater os crimes é os moradores se unirem para instalar uma torre de celular na Graminha e implantar o projeto vizinho solidário, assim eles vão poder, além de contar com o patrulhamento, ter a ajuda um do outro”, ressaltou.

Com relação a possível instalação de uma delegacia no bairro, a secretária de Segurança, Judite de Oliveira, disse que entre os anos de 2013 e 2014 a instalação de uma base fixa na Graminha foi comentada em uma reunião. “Mas a base não resolve o problema, até porque também não temos efetivo para isso. A extensão territorial da Zona Rural é muito grande. Infelizmente, a violência está em todo o lugar”.

O capitão da Polícia Militar, Eduardo Jorge Marques, disse que o policiamento da PM na Graminha é realizado pela equipe da Patrulha Rural diariamente. No entanto, ele lembrou que Mogi Guaçu é uma cidade com área rural muito extensa, fazendo divisa com diversos outros municípios.

capitao marques policia militar“Além disso, o policiamento, principalmente o rural, fica prejudicado por conta do presídio feminino, já que temos que atender as emergências do presídio. Lembrando que Mogi Guaçu não recebeu nenhuma viatura e nenhum policial a mais para o aumento dessa demanda. Viaturas que poderiam estar fazendo patrulhamento, inclusive na área rural, ficam grande parte do período realizando escolta de presas muitas vezes para outros municípios”, explicou.

No entanto, capitão Marques disse que o policiamento na área rural está sendo intensificado com apoio da Força Tática, GCM e patrulhas rurais dos municípios que fazem divisa.

 

Post anterior

GCM encontra cocaína e dinheiro no Jardim Nova Odessa

Próximo post

Confira os eventos da agenda cultural da região