Home»Caderno Multi»Leitura: Biblioteca de escola é revitalizada

Leitura: Biblioteca de escola é revitalizada

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

O nome escolhido não poderia ser melhor. “Biblioteca Cora Coralina”.  Um cantinho – que na realidade é uma ampla sala – decorado e planejado com tanto carinho e dedicação que a beleza e o encantamento saltam aos olhos de quem entra no local. Desde os tapetes, almofadas e sofá até os puffs feitos com garrafas pets e o colorido da mesa acolhem a quem por lá chega e permitem que todos fiquem bem à vontade.

A Biblioteca “Cora Coralina” fica na Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) “Anira Franco de Campos”, no Jardim Esplanada, e é a concretização do sonho de duas professoras que lá lecionam.  

Maria Lúcia de Paula Corrêa e Rita Damáglio. Juntas elas idealizaram um espaço diferenciado e acolhedor para a biblioteca da escola e foram ao trabalho, literalmente, para transformar a tão nobre ideia em realidade.

Há pouco mais de dois meses, os alunos que frequentam a escola “Anira” já podem desfrutar de momentos de aconchego, troca de informações e conhecimentos ao entrarem na Biblioteca “Cora Coralina”.

multi biblioteca escola aniraMUITA DEDICAÇÃO
Tudo em nome da leitura! 

 Embora a Emef “Anira de Campos Silva” já tivesse uma biblioteca, os alunos que a frequentavam demonstravam pouco interesse pela leitura dos clássicos. “Eles faziam de conta que liam’, conta e lamenta a professora Lúcia. Disposta a mudar esse cenário e transformar a leitura num hábito prazeroso, ela decidiu arrecadar dinheiro para comprar novos títulos de livros, decorar a biblioteca e comprar novos mobiliários. Para isso, Lúcia ganhou uma aliada, a professora Rita. E, juntas, elas conseguiram o principal: o apoio de todos os funcionários da escola, além da diretoria. “Eles doavam roupas e acessórios para vendermos nos bazares que a gente organizou. Doavam para as rifas. E, às vezes, até compravam os produtos para nos ajudar na arrecadação do dinheiro. Tivemos muito apoio e ajuda de todos”, ressaltaram.

Foram várias rifas e mais de oito bazares realizados no período contrário ao das aulas. Com o dinheiro, as professoras compraram a mobília, quadros, tapetes, sofá e puffs, além de vários livros novos, como a coleção “Diário de Um Banana”, que é uma das preferidas entre os alunos.

Para a professora Rita, a ideia era despertar nos alunos o interesse verdadeiro pela leitura e oferecer a eles um ambiente no qual se sentissem acolhidos, aconchegados e à vontade para lerem e ficarem. “A biblioteca estava interditada para reforma e, nessa época, os alunos não podiam entrar aqui por questões de segurança. Mas assim que a reforma do prédio terminou, já começamos a transformar esse espaço. Foram muitos dias de trabalho, dedicação, inclusive fora da escola, mais tudo valeu a pena e é muito gratificante poder ver a evolução dos alunos quando o assunto é a leitura”, observou Rita.

Rita e Lúcia
Rita e Lúcia

Com ela também concorda a professora Lúcia. Segundo ela, o projeto envolveu toda a comunidade. Muitas crianças sequer tinham tido contato com livros e, agora, mergulham no mundo da leitura e já se rendem ao hábito. “Os alunos estavam precisando exatamente desse estímulo. Livros mais modernos, mais atuais, que conquistem pela história aliados ao ambiente que está bonito e aconchegante. Todos gostam de vir aqui, na biblioteca, e muitos ficam por aqui conversando um pouco”, conta Lúcia.

Para as duas professoras, ver a biblioteca reformada, decorada e com tantos livros atraentes para os alunos é mais do que uma conquista, é um legado que fica para a escola e para a comunidade. “É um legado para a escola. Porque vemos os alunos lendo cada vez mais. E muitos deles estão se destacando na leitura. Leem um livro em seguida ao outro. E sempre que conversamos com eles nos relatam o quanto estão gostando de frequentar a biblioteca e ler os livros. Vamos continuar investindo nesse espaço. Vamos comprar mais títulos novos, e equipar a biblioteca com ventiladores também. Nosso trabalho não tem fim… a gente vive inventando”, dizem as professoras Rita e Lúcia entre risos.

multi biblioteca escola anira

TODA HORA É HORA

Aprovação entre os alunos é unânime

 Na biblioteca da escola “Anira”, os alunos confirmam o amor pela leitura e se empolgam ao comentarem sobre o assunto dizendo que ler tornou-se o hábito mais praticado por eles, nos últimos meses.

pedro multi biblioteca escola anira

“Gosto de contos de terror, lobisomem. Sempre leio livros com esses temas. Agora estou lendo ‘Contos Clássicos de um Vampiro’. Estou achando muito legal. As partes do livro que mais gostei, por enquanto, foram aquelas em que ele se transforma em vampiro e têm várias imagens dentro do livro. Gosto muito! E essa biblioteca ficou muito bonita e venho sempre aqui, durante a semana”.

Pedro Henrique Borges Bruzato, 12 anos, é aluno da 6ª série do ensino fundamental II     

 giovana multi biblioteca escola anira

“Eu também gosto de ler. Vinha sempre aqui, na biblioteca. Mas, agora, venho muito mais vezes, porque ela está bem melhor. Mais colorida, mais confortável. Eu me sinto bem aqui e adoro ler romances. Mas, desta vez, estou lendo os livros da coleção ‘Diário de um Banana’ e estou achando super legal. Quero ler todos”.

Giovana Silva Bonfim, 12 anos, é aluna da 6ª série do ensino fundamental II.       

ellen e raissa multi biblioteca escola anira
Rahyssa e Ellen

 

“Eu adoro ler, desde pequena. Gosto de folhear os livros e ver as imagens, as letras. Eu brincava de escolinha com minhas amigas para ser a professora e ficar lendo as histórias para os ‘alunos’. Nesse momento, estou lendo ‘Maré de Azar’, que é um dos livros da coleção Diário de um Banana e estou gostando muito da história”.

Rahyssa Gusmões Santana, 13 anos, aluna da 7ª série do ensino fundamental II

“Sempre gostei de ler e, agora, com essa biblioteca nova venho aqui mais vezes e sempre estou lendo algum livro. Agora, estou lendo “Diário de uma garota nada popular”. É uma história muito bacana e não vejo a hora de saber o fim. Já li vários títulos e não tenho preferência. Leio tudo. Cada vez, gosto mais de me envolver com estas histórias”.

Ellen Aparecida de Carvalho, 13 anos, 7ª série do ensino fundamental II  

 

 

 

Post anterior

Escola de Martinho Prado fica pronta até o final de 2019

Próximo post

Handebol do “Maria Diva” encerra temporada 2018