Gyoza

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Por Camila Maria

O Gyoza é originalmente uma iguaria da culinária chinesa, porém tornou-se muito popular em todo o Japão. Na China seu nome é Jiaozi e pode ter vários tipos de recheio, enquanto que no Japão, basicamente, seu recheio é de carne de porco picada, repolho, cebolinha, alho e gengibre.
A massa do gyoza se assemelha a de um pastel comum. Geralmente, após serem recheados, são cozidos no vapor e depois rapidamente fritos em uma panela com pouco óleo. Há também a versão grelhada, chamada de Yaki Gyoza.
O gyoza que temos na atualidade vem do período pós-guerra e teria sido levado para o Japão pelos soldados que lutaram na Manchúria durante a Segunda Guerra Mundial (e que foram responsáveis pela disseminação de diversos pratos típicos da culinária do norte da China), adequando-se às circustâncias do país, completamente arrasado à época do pós-guerra. A farinha de trigo era mais fácil de se obter que o arroz e praticamente qualquer produto podia ser usado como recheio. Em meio à escassez de alimentos e à devastação generalizada, muitos encontraram no preparo e venda do gyoza um meio de subsistência.
Hoje em dia, o gyoza tornou-se uma das principais entradas nos restaurantes japoneses, sendo consumido com um molho especial feito de uma mistura de vinagre de arroz, shoyu e óleo de gergelim.

INGREDIENTES:

Massa:
• 300g de farinha de trigo
• Cerca de 200ml de água fervente

Recheio:
• 300g de pernil
• 300g de folhas de acelga ou repolho
• 1 maço de nirá (versão japonesa da nossa cebolinha)
• 2 colheres (sopa) de shoyu
• 2 colheres (sopa) de sakê ou vinho branco
• 1 colher (sopa) de óleo de gergelim
• 1 colher (sopa) de molho de ostras – opcional
• 1 pitada de açúcar
• 1 pitada de sal e aji-no-moto

MODO DE PREPARO:

Massa:
Peneire a farinha numa vasilha e faça uma cova no meio, onde você vai despejar a água e misturar {com colher} até formar uma massa farofenta. Quando a temperatura ficar suportável, amasse com as mãos para verificar a necessidade de mais água – a massa tem que ficar maleável . Despeje na mesa e sove até ficar macia {não fica totalmente lisa, é uma massa bem rústica}. Cubra com um pano de prato e deixe descansar por 1 hora.
Coloque em uma vasilha grande a carne de porco já processada, a acelga e o nirá picados. Adicione os temperos e agregue tudo muito bem. Deixe na geladeira por pelo menos 30 minutos
Divida a massa toda em dois e abra cada porção num cordão com 2 cm de espessura. Corte fatias de 1 cm e abra cada uma em mármore enfarinhado e, com a ajuda de um rolo, abra cada disco em uns 5 cm. Estique apenas as beiradas pra que fiquem bem finas, quase transparentes, e o meio fique gordinho. Rende aproximadamente 30 discos.
Pegue um dos discos e molhe as bordas com água. Coloque cerca de 1 colher de sopa de recheio no meio e feche. A água vai fazer com que as bordas grudem.
Se você for fritar: Aqueça bem uma frigideira em fogo alto, despeje um fio de óleo e disponha os gyozas formando um círculo em leque, com a parte que franziu para cima. Despeje 150ml de água fria sobre eles e tampe. Diminua o fogo para médio e cozinhe até secar a água, cerca de 15 minutos. Tire a tampa, jogue mais um fio de óleo e frite até dourar bem a parte de baixo. Cubra com um prato maior que a frigideira e vire a frigideira. Sirva logo em seguida.
Se você for cozinhar (o nome muda para mandu): Pegue uma panela grande, encha-a na altura de uns quatro dedos de água e leve ao fogo para ferver. Coloque alguns mandu e use a escumadeira para retirá-los. Eles estarão bons quando começarem a flutuar – tipo nhoque. Não os deixe muito tempo fervendo na água que isso pode estourá-los e fazer vazar todo o recheio.

Camila Maria é formada em gastronomia, atua como chefe de cozinha e é sócia-proprietária da Estação Chopp, em Mogi Guaçu.

Post anterior

Antonella

Próximo post

Tome Nota da edição de sábado, dia 14