Home»Destaque na Home»Grupo de servidores municipais organiza passeata

Grupo de servidores municipais organiza passeata

1
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Um grupo de servidores públicos municipais está organizando uma passeata no próximo sábado, dia 5, a partir das 8 horas. A manifestação quer chamar a atenção da Administração Municipal sobre corte nos pagamentos das horas extras e também de outros direitos trabalhistas já assegurados no acordo coletivo da categoria.

O comunicado sobre a passeata está sendo divulgado pelas redes sociais e também por meio de aplicativos como WhatsApp. Porém, nenhum dos organizadores se manifestou oficialmente.

A Gazeta apurou junto ao grupo de servidores municipais que não está definido qual será o percurso da passeata. Mas, a princípio, os manifestantes vão sair da Praça Antônio Giovani Lanzi, na Capela, em direção à Praça Rui Barbosa, o Recanto, no Centro de Mogi Guaçu. Eles também pretendem levar faixas e cartazes com frases de repúdio à decisão do prefeito Walter Caveanha (PTB) de cortar alguns direitos trabalhistas da categoria.

Comunicado já percorre as redes sociais
Comunicado já percorre as redes sociais

Sem apoio
O presidente do Sindiçu (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Mogi Guaçu e Região), Valdomiro Sutério, o Miro, foi enfático ao dizer que a passeata não tem o apoio do sindicato. Embora esteja ciente de que a manifestação já está sendo organizada, Miro justificou que não trata-se de uma decisão tomada em assembleia. “Algumas pessoas decidiram fazer essa passeata e começaram a organizá-la, mas o sindicato não tem nada com isso, porque na assembleia geral não ficou decidido nenhum tipo de manifesto. Precisamos ter cuidado para que não torne uma questão política. Nossa luta é uma questão trabalhista, e não política”, pontuou.

Miro ressaltou que a próxima assembleia geral dos servidores municipais está marcada para o dia 7 de maio, segunda-feira, às 19 horas, em frente à Câmara Municipal. “Independentemente, da Administração Municipal nos chamar ou não para retomar as negociações sobre o dissídio, eu vou fazer a assembleia para definir qual será o rumo que vamos seguir a partir de então”, afirmou o sindicalista.

Miro ressaltou que sindicato da categoria não apoia manifestação
Miro ressalta que sindicato não apoia manifestação

Mais pressão
Na sessão da Câmara Municipal desta quarta-feira (2), um grupo de servidores municipais deverá comparecer para pressionar os vereadores a fim de que eles ajudem – naquilo que for possível – a impedir que o Governo Municipal efetive de vez os cortes em alguns itens dos direitos trabalhistas da categoria.

A previsão é de que aproximadamente 40 servidores municipais estejam na sessão da Câmara desta quarta-feira.

Post anterior

GCM evita roubo a comércio no Fantinato

Próximo post

Curtas: idosa abandonada, suicídio é evitado e preso por estupro