Home»Cidade»Falta de água: Samae investirá R$ 2 milhões em tubulação

Falta de água: Samae investirá R$ 2 milhões em tubulação

Moradores reclamam de falta de água aos finais de semana e temem que situação piore com novos investimentos

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Está em fase de licitação a compra de tubos de ferro fundido que irão compor a tubulação que sairá da ETA (Estação de Tratamento de Água), no Jardim Bela Vista, rumo ao reservatório do Jardim Ypê II e, de lá, para o reservatório do Ypê VIII que abastece também a região das Chácaras Pantanal do Engenho Velho. O investimento será de R$ 2 milhões em recursos próprios do Samae (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto).

A obra colocará fim às queixas de falta de água aos finais de semana e a pouca pressão nas torneiras. O superintendente do Samae, Elias Fernandes de Carvalho, explicou que isto ocorre porque a tubulação atual, antes de chegar ao Ypê II, abastece também o reservatório do Parque Cidade Nova. “A nova tubulação sairá da ETA margeando a linha do trem até chegar ao Ypê II, sem intermediação em outro reservatório”, detalha.

Com este abastecimento direto e tubos de ferro fundido de 400 milímetros de diâmetro, Elias disse que a água chegará com mais pressão ao bairro e não haverá problemas no abastecimento. O reservatório do Ypê II tem capacidade de armazenamento de 3,5 milhões de litros. “A tubulação atual tem 300 mm, mas é muito antiga e ainda com trechos em PVC”, comenta o superintendente.

De fato, quem reside nas Chácaras Pantanal do Engenho Velho reclama da falta de pressão nas torneiras e da escassez de água aos finais de semana, sendo esta situação atribuída às chácaras de lazer. Ou seja, o abastecimento das piscinas. Durante a semana, o morador Dener Francisco Siqueira conta que a água também chega a faltar nos horários de pico. “A gente chega do trabalho e não tem água”, diz mostrando preocupação com o agravamento da situação. Isto porque, o bairro está crescendo e com a previsão de novos condomínios residenciais.

A água começa retornar às torneiras por volta das 22 horas, conforme relata Dener. Ele conta que se mudou para o bairro há três meses e tem estranhado muito a situação. Morador no bairro há mais tempo, Darci Machado da Silva também relata preocupação com o crescimento populacional e o abastecimento de água. “A pressão da água é bem fraca, mas não chego a sentir a falta de água aos finais de semana porque instalei duas caixas de água de 500 litros cada uma”, comenta.

Post anterior

UBS do Itamaraty abre dia 7 para exame preventivo

Próximo post

ClassiMais, 30 de setembro de 2017