Home»Cidade»Exame confirma morte por meningite

Exame confirma morte por meningite

Homem de 38 anos morreu no final de semana; exames confirmaram caso de meningite meningocócica

1
Compartilhamentos
Pinterest Google+

O Instituto Adolfo Lutz, em Campinas, confirmou que o óbito do homem de 38 anos ocorreu em decorrência de meningite meningocócica. A informação foi repassada pela VE (Vigilância Epidemiológica) à Secretaria de Comunicação Social que reenviou os dados à Gazeta, na manhã de sexta-feira (22).

O paciente procurou o Hospital São Francisco na madrugada de domingo (17), por vota das 1h09, com dor de cabeça, vômito e febre. Foi atendido, apresentou melhora e foi liberado. No mesmo dia, pela manhã, às 8h10, ele retornou ao hospital com dor abdominal, dor de cabeça, diarreia, febre e ficou em observação. Por volta do meio-dia, o estado de saúde se agravou e ele precisou ser entubado. O paciente teve complicações e faleceu após parada cardíaca, às 14h10.

Diante do quadro de suspeita de meningite, segundo avaliação clínica, foram colhidas amostras de material e encaminhadas ao Instituto Adolfo Lutz, em Campinas.

A meningite meningocócica é uma doença transmitida pelas vias respiratórias do doente ou do portador da bactéria durante a fala, tosse e espirro. Os sintomas aparecem em pouco tempo. Os mais característicos são febre alta, mal-estar, vômitos, dor de cabeça e no pescoço, dificuldade para encostar o queixo no peito e, às vezes, manchas vermelhas pelo corpo, sinal de que a infecção está se alastrando.

 

VACINA

Vale lembrar que as redes pública e privada de saúde oferecem vacina contra a meningite. Na rede municipal a imunização é oferecida a crianças a partir de 2 meses até 4 anos de idade e os adolescentes de 12 e 13 anos.

A meningite por meningococo pode ser fatal. Mas devido à descoberta de vacinas para este tipo específico (C), a meningite meningocócica (C) vem sofrendo grande redução de casos confirmados. A vacinação antecipada de crianças é a principal forma de combate. Nos casos de confirmação da doença, o tratamento prévio do doente e medidas prevenção em relação aos comunicantes são formas eficientes de controle.

Post anterior

Tome Nota de sábado, dia 23

Próximo post

Vice-prefeito confirma abertura da licitação