Home»Cidade»Ex-funcionários da Lanzi reclamam de atraso no pagamento

Ex-funcionários da Lanzi reclamam de atraso no pagamento

4
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Mais uma vez, alguns ex-funcionários da Cerâmica Lanzi acionaram o Sindicato dos Ceramistas e da Construção Civil de Mogi Guaçu e Região para cobrarem posicionamento dos atrasos de pagamentos. A empresa não cumpriu com o cronograma de depósito dos valores parcelados da rescisão trabalhista. O grupo esteve na porta da empresa na manhã desta terça-feira (6).

ceramica lanzi falta pagamento

Alguns funcionários estão com duas parcelas em atraso, o que compromete o orçamento doméstico, especialmente daqueles que não conseguiram novo emprego. Em janeiro, estes funcionários já reclamaram do atraso no recolhimento do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). O pagamento parcelado da rescisão trabalhista é fruto de acordo extrajudicial.

Desta vez, o grupo não foi recebido pela diretoria da empresa. Os ex-funcionários relataram que, segunda-feira (5), parte dos funcionários parou e só retornou ao trabalho depois de acordo firmado entre diretoria e sindicato. Ou seja, a garantia de que 50% dos salários seriam pagos naquela data e o restante nesta terça-feira (6). O convênio médico também foi suspenso.

Ainda na portaria da empresa, o diretor do sindicato Jair Silvestre explicou que o setor jurídico tem conhecimento da situação e que está em negociação com a empresa. “Hoje, às 10h30, tem uma reunião com a diretoria, o Paulo (presidente do sindicato) e nosso advogado”, adiantou.

jair sindicato ceramica lanzi falta pagamento

Neste encontro, segundo o advogado do sindicato, Wilson Vilela, a diretoria da empresa informou que fará o máximo possível para semana que vem retomar o pagamento. “Disse que fariam um levantamento de todos os atrasados para fazer o acerto”, pontuou. O advogado adianta ter esclarecido à diretoria a situação dos processos do acordo homologado pela Justiça.

 

Post anterior

Mogi Mirim precisa vencer para evitar rebaixamento

Próximo post

Padres falam sobre violência na Câmara Municipal