Home»Destaque na Home»Estrada da Roseira: Onda de assaltos assusta motoristas

Estrada da Roseira: Onda de assaltos assusta motoristas

Três roubos foram cometidos por dois homens de moto armados que renderam as vítimas, nesta semana

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Dois homens em uma moto grande de cor escura estão assaltando os motoristas que trafegam pela estrada municipal Vicente Ortiz de Camargo, a estrada que liga Mogi Guaçu ao bairro rural da Roseira a Itapira. Ao menos três casos foram registrados na noite da última quarta-feira (2). Todos aconteceram logo após os motoristas passarem pelos redutores de velocidade e uma lombada presentes no primeiro quilômetro da via no sentido ao bairro rural da Roseira. Porém, a relatos de motoristas que foram abordados em outros trechos da via. 

As primeiras vítimas, moradores de Mogi Guaçu, foram abordadas pela dupla por volta das 21h50. De acordo com o Boletim de Ocorrência, o carro em que elas estavam foi emparelhado por uma moto com dois homens armados, um com um revólver e outro com uma pistola. O motorista do carro parou o veículo e foi ameaçado. As vítimas entregaram cartões, celular, outros objetos pessoais e R$50.

Dez minutos mais tarde, às 22h00, o alvo dos ladrões foi um morador de Itapira, de 65 anos. Ele também relatou, no Boletim de Ocorrência, que estava em seu carro, uma GM/Montana, quando foi abordado por dois homens em uma moto. O garupa estava munido com uma arma pequena e anunciou o roubo pedindo para ele descer do veículo. O comparsa do garupa assumiu a direção do carro da vítima e eles fugiram levando cartões, celular e R$ 300. O homem ainda contou que seu carro possui um dispositivo de corte de combustível e que por essa razão, ele sabia que logo à frente o automóvel pararia de funcionar. Com medo dos bandidos voltarem para se vingar, ele se escondeu no meio de uma plantação e depois foi a pé até a SP-342, onde pediu ajuda.  A Guarda Civil Municipal já havia encontrado a Montana que parou há aproximadamente 500 metros do local do roubo.

vicinal interna mogi roseira onda furtos veiculosE vinte minutos depois do segundo assalto acontecer, a dupla de moto abordou um Chevrolet/Prisma ocupado por um casal e uma mulher, todos da cidade de Itapira. A mulher do motorista do Prisma contou à Gazeta que por volta das 22h20, ela, o marido e uma amiga estavam na estrada municipal Vicente Ortiz de Camargo indo embora quando depois de passarem pelos redutores de velocidade e uma lombada foram surpreendidos por uma moto que vinha na contramão de direção. “A gente achou que era alguém bêbado, mas logo o meu marido gritou para a gente se abaixar que era um assalto. O garupa da moto estava armado e já chegou dando dois tiros, mas o meu marido arrancou com o carro e em seguida ele fez um terceiro disparo. Foi horrível, a gente achou que eles iam nos seguir, mas eles acabaram indo embora e logo mais para frente nós já vimos as outras vítimas que estavam paradas no canteiro”, relatou a mulher que ainda informou que não registrou Boletim de Ocorrência, mas que fez alerta aos seus conhecidos para tomarem cuidado e não passarem mais pela estrada. “Agora, depois desse susto, nós não vamos mais usar essa estrada, vamos ter que utilizar a pista e pagar o pedágio de R$ 7,50, mas é melhor do que perder a vida”, ressaltou a vítima.

 

Patrulhamento

O comandante da Guarda Civil, Claudemir Adorno da Costa, disse que os recentes casos de assaltos cometidos pela dupla de assaltante que age em uma moto na estrada da Roseira já chegaram ao conhecimento da GCM, “Nós já temos as características dos acusados e da moto e já estamos monitorando o local, intensificando o patrulhamento com o objetivo de prender a dupla”, explicou.

 

Sinalizações

Além de registrar os casos na polícia, as vítimas utilizaram as redes sociais para alertarem a população quanto ao perigo. Muitas pessoas aproveitaram para reclamarem da lombada e da falta de iluminação no local. A Gazeta transmitiu ao secretário municipal de Obras e Viação, Salvador Franceli, as reclamações. Franceli disse que na próxima segunda-feira (7) pretende ir até o local para reavaliar os redutores e a lombada. “Infelizmente são dispositivos de segurança que estão gerando insegurança, mas eu vou ir até a estrada e vou estudar o que pode ser feito como colocar placas de velocidade. Mas acredito que melhor do que tirar a lombada é aumentar a iluminação, porque assim aumenta a visibilidade dos motoristas”. Vale lembrar que a velocidade máxima da via é de 60 Km/h.

Post anterior

Criação da Guarda Mirim não tem previsão de acontecer

Próximo post

Franco Montoro: Aberto processo seletivo de provas e títulos