Home»Destaque na Home»Esqueleto é encaminhado para exames na Capital

Esqueleto é encaminhado para exames na Capital

Delegada da DIG aguarda a chegada do resultado dos exames para cruzar os dados com pessoas desaparecidas da cidade e região

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Uma ossada humana foi localizada por policiais militares em uma área rural próxima à estrada interna que liga Itapira a Mogi Mirim, mais precisamente na região conhecida como “Água Choca”.

A ossada estava no banheiro de uma casa abandonada e os policiais militares de Itapira chegaram ao local após denúncia encaminhada ao Disque 190. Não houve condições de apontar o sexo da pessoa que provavelmente tenha morrido no próprio local. Preliminarmente, a morte ocorreu há cerca de um ano, com base na forma em que os ossos foram encontrados.

O delegado Anderson Cassimiro de Lima foi ao local e acionou o IC (Instituto de Criminalística) de Mogi Guaçu. Após a coleta de provas do local, os ossos foram encaminhados para exames no IML (Instituto Médico Legal) na Capital.

A delegada Edna Elvira Salgado Martins, da Delegacia Especializada de Investigações Gerais de Mogi Guaçu (DIG), explicou que entre os exames requisitados há o que identificará o sexo e a provável data da morte. A partir das informações é que poderão ser cruzadas as informações com casos de desaparecidos de Mogi Guaçu e na região.

 

Desaparecidos

Everton de Oliveira Gonçalves
Everton de Oliveira Gonçalves

Em Mogi Guaçu há três pessoas desaparecidas. O pedreiro Everton de Oliveira Gonçalves, 26 anos, sumiu em novembro de 2015. Ele deixou a residência da família em um Classic, cor prata, no Jardim Tabajara. O carro foi localizado próximo do bairro onde ele morava com os pais e irmãos. O veículo estava abandonado no meio de um bambuzal na entrada da cidade. A chave, documentos pessoais e o celular de Everton estavam dentro do veículo. Um dos irmãos disse que uma das últimas mensagens foi para a namorada, com quem teria brigado no final de semana antes de desaparecer.

O jovem Thiago Augusto Moreira, 19 anos, morador do Jardim Centenário desapareceu em dezembro de 2015. Segundo familiares, ele deixou a residência por volta das 22 horas e disse para o pai que iria sair com os amigos. Pegou o capacete e montou na garupa de alguém que a família não soube dizer quem é. Cerca de 20 minutos depois, ligou para a irmã e disse que se não retornasse até a meia-noite era para procurá-lo.

Em setembro de 2014, a jovem Tatiane Turbiani Chaves, de 20 anos, desapareceu.  Tatiane saiu da casa de sua mãe, no Jardim Canaã II, pela manhã com as filhas de 1 ano e três meses. Falou que ia se encontrar com o ex-companheiro com quem ia tratar da pensão alimentícia das crianças com um advogado. As duas meninas foram encontradas no mesmo dia do desaparecimento de Tatiane em um canavial de Artur Nogueira. A avó materna, Aparecida Turbiani Chaves, obteve a guarda das meninas e está cuidando delas até hoje. (Com informações do Itapira News).

Desaparecido Thiago Moreira

Tatiane
Tatiane
Post anterior

Ciclista sofre queda e não resiste a ferimentos

Próximo post

AME oferece check-up gratuito para os pais