Home»Cidade»Escola é interditada e alunos vão para Fimi

Escola é interditada e alunos vão para Fimi

Interdição foi decidida pela SOV na quarta-feira (27); aulas estão suspensas

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Com trincas, rachaduras e infiltrações a Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) “Antônio Giovani Lanzi”, na Vila Paraíso, está interditada. A medida foi anunciada na quarta-feira (27) e no dia seguinte as aulas já estavam suspensas. A decisão foi tomada pela SOV (Secretaria de Obras e Viação) que promoverá reforma no imóvel. Os alunos serão transferidos para as Fimi (Faculdades Integradas Maria Imaculada), Centro.

A data de retomada das aulas será comunicada aos pais de alunos, a partir da próxima semana, quando a Secretaria Municipal de Educação definirá toda a logística que envolve a transferência. A Secretaria de Comunicação Social informou que o trabalho é conduzido com a finalidade de retomar as aulas o mais breve possível.

escola giovani lanzi vila paraisoA decisão sobre o novo local de aulas foi tomada em reunião realizada nesta sexta-feira (29), no gabinete do prefeito Walter Caveanha (PTB) com a equipe da Educação. A maior dificuldade enfrentada era a localização de imóvel que dispusesse de número de salas suficientes para acomodar os mais de 400 alunos. Este foi um dos motivos que descartou a ida para a Emef “Maria Lúcia Guillaumon Fonseca”, no Jardim Planalto.  

O responsável pela SOV, Salvador Franceli, explicou que as trincas observadas no imóvel não oferecem risco de queda da estrutura e, portanto, pontua que a interdição é uma medida que foi antecipada. Isto porque, garante que a reforma já estava prevista. “Há 30 dias, eu estive na escola e, desde então, estamos fazendo monitoramento. Hoje (quarta-feira), voltei e observei que não houve movimentação alguma, estava tudo da mesma forma que encontrei”, detalha. A reforma é orçada em R$ 120 mil.

Os problemas na Emef chamaram a atenção dos pais que estiveram reunidos na tarde de terça-feira (26) com a direção da unidade. Também acompanharam o caso os vereadores Guilherme de Souza Campos, o Guilherme da Farmácia (PSD) e Natalino Tony Silva (REDE).  

abre emef antonio giovani lanzi

 

Post anterior

Caveanha quer dividir índice da inflação em duas vezes

Próximo post

Veículos abandonados voltam a ser tema de lei