Home»Cidade»Entulho: SSM segue com problemas em obter área

Entulho: SSM segue com problemas em obter área

Área é utilizada no Chaparral; despejo será coberto com terra; no Canaã, buraco é aberto para mesma finalidade

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

A Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) dispensa de licenciamento qualquer aterro com resíduo de construção civil para fins de nivelamento de terreno. Isto se aplica em área de até 1 mil metros² ou ao máximo de 1 mil metros³ de volume, conforme a resolução 5610. Esta condição é aproveitada pela SSM (Secretaria de Serviços Municipais) para o despejo do entulho recolhido pelos bairros. O material está sendo usado para o aterro de uma área do Jardim Chaparral.

O assunto, aliás, foi pauta de reunião realizada na semana passada entre as autoridades municipais, período que antecedeu o reinício do serviço que estava parado desde o ano passado, quando terminou o contrato com a terceirizada. A falta de local para destinar o entulho é um problema antigo da Administração Municipal. Depois de esgotada esta área, a equipe começará a depositar entulho em buraco aberto em terreno público do Jardim Canaã, atrás da Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) “Iná de Oliveira Marconi”.

terra retiradaCom a contratação de empresa para coleta de entulho, o serviço foi retomado nesta semana, mas deve levar cerca de três meses para atender a demanda de todo o município. Isto porque, além do grande volume despejado em calçadas, áreas verdes e praças, entulho e galho estão misturados. Com isto, as equipe têm que primeiramente separar os materiais, pois são coletados por caminhões diferentes e também não são destinados para a mesma área. Os galhos seguem para trituração.

A equipe da coleta de entulho iniciou o trabalho pela Zona Sul e foram necessários quatro dias para fazer a separação do material em parte daquela região. Com isto, até quinta-feira (16) foram recolhidos apenas os galhos, o entulho começou a ser retirado na sexta-feira (17).

entulho recolha

Post anterior

Tecnologia: Pais devem monitorar e impor limites

Próximo post

Editorial: Cidade tatu