Home»Editorial»Editorial: Quanto custa um sonho?

Editorial: Quanto custa um sonho?

0
Shares
Pinterest WhatsApp

Quanto custa a faculdade de medicina é um dos questionamentos mais comuns entre os estudantes que sonham ingressar em um dos cursos mais concorridos do país. Além de possuir o vestibular mais disputado, medicina também é a graduação com um custo mensal mais elevado. Para os estudantes que pensam em ingressar nessa carreira da área de saúde, saber o valor de medicina é fundamental.

O curso de medicina tem duração média de seis anos. Durante esse período, os estudantes lidam com uma ampla carga horária de disciplinas teóricas e práticas. Além das aulas em laboratórios, os alunos passam por estágios supervisionados em hospitais e clínicas. A estrutura necessária para um curso dessa amplitude influencia no valor das mensalidades. Esse é um dos motivos para o valor da mensalidade de medicina ser o mais alto entre as graduações brasileiras. Apesar do preço variar de uma instituição para outra, a mensalidade varia entre R$ 5 mil e R$ 12 mil.

O que muitos candidatos a futuros médicos devem estar se perguntando é quanto irá custar o curso de medicina da Faculdade Municipal “Professor Franco Montoro”, que terá seu primeiro vestibular em janeiro de 2020. Além dessa pergunta, outras devem compor a lista de exigências do estudante a partir do momento que ele escolhe a futura profissão. Por isso, o valor da mensalidade não deve ser o único item que será levado em conta na hora de se optar pela faculdade. O principal desafio da direção da Faculdade Municipal “Professor Franco Montoro” é justamente fazer com que o curso local seja visto com muito bons olhos pelos estudantes que irão ‘abraçar’ a profissão.

Por mais que um alto investimento tenha sido feito pela Prefeitura no campus localizado no bairro da Cachoeira, o curso é novo e precisará de muitos argumentos para poder atrair o público alvo. Desde o início das discussões em torno da implantação do curso de medicina na faculdade municipal, a equipe do prefeito Walter Caveanha (PTB) não apresentou nenhum estudo técnico de viabilidade. Apenas foi apresentado argumentos de que o curso poderá ser um ganho para o município, principalmente a rede pública de saúde que ‘ganhará’ o reforço dos universitários no decorrer do curso.

Justamente pela falta dessa informação, ainda pairam muitas dúvidas em relação ao novo curso, principalmente porque a “Franco Montoro” nunca foi conhecida por atrair tantos universitários desde que foi criada, nem mesmo o curso tido como pioneiro à época, que foi o de engenharia ambiental. Até recentemente, falava-se que o curso de nutrição contava com pouquíssimos alunos.

Além do investimento na parte física, de equipamentos e do corpo docente, o que foi feito para que os cursos da “Franco Montoro” sejam procurados pelos estudantes de todo o país? Essa, sem dúvida, é a principal questão. É claro que o fato de o município passar a contar com o curso de medicina deve ser comemorado. Espera-se que um ensino de qualidade seja ofertado e que os investimentos continuem sendo feitos, pois a graduação com qualificação beneficiará diretamente a população guaçuana e da região, que poderão absorver os futuros profissionais.

Que o curso de medicina de Mogi Guaçu passe a integrar a lista dos mais procurados e, assim, a cidade terá um atendimento de excelência na área médica e as muitas dificuldades atualmente enfrentadas com a falta de profissionais poderá ser finalmente resolvida.

Previous post

Natalino e Luciano reforçam interesse no Executivo

Next post

Mogi Guaçu assegura bons resultados no Campeonato Brasileiro