Home»Editorial»Editorial: Devolve, mas não se envolve

Editorial: Devolve, mas não se envolve

0
Shares
Pinterest WhatsApp

A decisão do presidente da Câmara, Rodrigo Falsetti (PTB), de antecipar parte o duodécimo para a Prefeitura, a fim de que seja dado início ao processo de videomonitoramento colocou o prefeito Walter Cavenha (PTB) em xeque. Isso porque, diante das solicitações vindas dos quatro cantos da cidade por mais segurança, as câmeras de vídeo instaladas em locais estratégicos poderão reduzir os índices de criminalidade, justificativa mais que louvável. A demora na liberação de emendas parlamentares e o oferecimento em tribuna do presidente de voluptuosos R$ 400 mil para o videomonitoramento vão fazer com que Caveanha tenha que pensar rápido em uma solução.

Não costuma ser segredo que o duodécimo é uma fonte de recursos importante para as Prefeituras que contam com valores na casa dos milhões, no final do ano, para honrar compromissos financeiros e até obrigações trabalhistas, como o décimo-terceiro salário dos servidores. Designar, ainda que seja parte desses recursos, para outros fins é tudo que Caveanha e sua equipe financeira podem não querer, mas tem saltado aos olhos dos vereadores que terão um controle maior do recurso que é devolvido por eles e, de quebra, participarão de decisões importantes da cidade colhendo dividendo com isso. Afinal, quem em sã consciência seria contra a instalação de câmeras de monitoramento que poderão dar mais segurança à população se há recursos garantidos para tal?

Caveanha pode até ter achado que Rodrigo Falsetti blefou em seu discurso na tribuna da Câmara, mas o envio de um ofício ao chefe do Executivo dias depois demonstrando a intenção de destinar os recursos deu força à ideia e ganhou vários simpatizantes. De quebra, os vereadores ainda tocaram em outro assunto delicado para o governo que pode ser atendido com recursos do duodécimo: o retorno da UPA ao prédio do Jardim Santa Marta. A Câmara Municipal soube jogar bem o jogo da Administração Municipal e foi direto no principal problema apresentado pelo prefeito Walter Caveanha desde que assumiu seu terceiro mandado, em 2013: a falta de recursos. Pelo que se vê agora, dinheiro há para o monitoramento e para outros desejos particulares de vereadores. Resta saber se o prefeito já não tem destinação certa para esses valores no conhecido dois V: vai, mas volta com meu dinheiro, nobres edis.

Previous post

Corredor de ônibus: Trecho será pavimentado em alguns dias

Next post

35º Encontro de Corais reúne grupos da região