Home»Opinião»Editorial de sábado: Cuidar do próprio quintal

Editorial de sábado: Cuidar do próprio quintal

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

A dengue é uma doença sazonal, que se prolifera em época de chuvas devido ao habitat do mosquito transmissor, o Aedes aegypti. É de conhecimento da grande maioria que o mosquito põe suas larvas na água parada e, em pouco tempo, há uma disseminação de novos hospedeiros. Esta história é de conhecimento da maior parte da população, que todos os anos sofre com milhares de doentes.

O problema é que, apesar das informações de combate ao mosquito e à doença serem constantemente repassadas, a sociedade não dá a resposta necessária por meio de ações. Muitos preferem jogar a responsabilidade para o Poder Público e isentar-se do processo.

Nesse dia 29 de agosto a primeira ação do Plano Regional de Prevenção e Combate à Dengue será realizada e foi denominada como “Dia D Regional Contra a Dengue”. As orientações sobre a doença serão repassadas pelos agentes de saúde aos moradores de Mogi Guaçu, Mogi Mirim, Itapira e Estiva Gerbi. O foco principal é a educação e atingirá os bairros das divisas dos quatro municípios envolvidos.

É um primeiro passo para evitar que os números de registros da doença voltem a assustar autoridades e moradores.

Os Governos Municipal, Estadual e Federal podem colaborar com o combate à dengue, mas sozinhos não eliminarão a doença. Se não houver um esforço conjunto da sociedade em combater o Aedes aegypti, de nada adiantará as ações públicas pontuais. Aliás, o que se exige dos cidadãos é o mínimo do necessário, principalmente se considerar que manter a sua própria propriedade em ordem, sem lixo e livre de água acumulada deveria ser regra de todos, com ou sem dengue. Diante de uma epidemia, o esforço teria, obrigatoriamente, que ser ainda maior.

Mogi Guaçu viveu no primeiro semestre uma epidemia de dengue, sendo a maior da história com mais de 14 mil casos confirmados. A ação integrada entre os municípios demonstra preocupação do Poder Público em evitar que a história se repita com a chegada das estações mais quentes.

Nestas estações começam os períodos de chuva e aumento das temperaturas, que contribuem para a proliferação dos mosquitos. Por isso, o esforço de cada pessoa conta muito para que a cidade possa vencer essa guerra.

Que esse “Dia D” não seja uma ação isolada, pois é fundamental intensificar as campanhas de esclarecimento à população e treinar mais equipes para realizar visitas porta a porta.

As medidas, contudo, só terão efeito se cada um cuidar do próprio quintal.

Post anterior

Irmãos Coutinho no Salão do Humor de Piracicaba

Próximo post

Ministério de Louvor e Adoração da Cefa lança CD