Home»Destaque na Home»“É um desafio que quero enfrentar”, diz Zanco

“É um desafio que quero enfrentar”, diz Zanco

Aos 49 anos, exercendo seu segundo mandato, ele assume o cargo mais importante no Poder Legislativo

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Eleito presidente da Câmara Municipal de Mogi Guaçu, o vereador Luís Zanco Neto, o Zanco da Farmácia (PTC), está tendo uma ascensão política rápida. Exercendo seu segundo mandato consecutivo, ele disputou uma vaga no Legislativo pela primeira vez nas eleições de 2012 e conseguiu se eleger com 1.269 votos, à época pelo PDT. Quatro anos depois, ele conquistou a reeleição, desta vez pelo PTC, com 1.874 votos e tem seu nome escolhido por unanimidade para ser o presidente da Casa para o biênio (2017-2018). “Tudo isso foi uma surpresa para mim. Não esperava tantas conquistas em tão pouco tempo, mas estou feliz, porque eu gosto de política, de ser vereador e agora estou me adaptando à Presidência da Câmara, que não é nada fácil”, diz Zanco, que também é formado em Farmácia.

E não está fácil mesmo. Sobre sua mesa no gabinete da Presidência o amontoado de papéis sinaliza que o novo presidente está tendo que tomar ciência de vários problemas que envolvem a Câmara. Desde complicações na estrutura do prédio, que está com goteiras e mais goteiras, até atender às determinações do Ministério Público local, do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, além dos pedidos feitos pelos vereadores. Os primeiros 18 dias de seu mandato não deixaram Zanco cair no marasmo e ele próprio descontrai diante dos fatos: “Está agitado, viu!”.

Presidente Câmara Municipal Luiz Zanco Neto

Desafio

Aos 49 anos, dono de um tom de voz baixo, Zanco afirma que irá comandar a Casa com rigor, mas também com muita abertura para conversas e discussões. “As portas de meu gabinete na Presidência estão abertas desde o dia 1º janeiro. Estou podendo contar com a ajuda, o apoio e a experiência dos funcionários desta Casa que estão me dando todas as explicações necessárias. Isto está sendo fundamental nesse início de mandato. Da mesma forma eu também estou tentando ajudar em tudo que posso aos demais vereadores. As pedras em que pisei nos últimos quatro anos vou tentar tirar do caminho deles para que eles não pisem”.

Uma das preocupações dele é conciliar os trabalhos do presidente da Câmara, que são mais burocráticos e administrativos, com os trabalhos de vereador, que é se manter mais próximo da população e elaborar leis. “O mês de janeiro deste ano, por exemplo, foi atípico. Nós, vereadores, fizemos várias reuniões aqui, na Câmara, com representantes de bairros para ouvir suas reivindicações e tentar ajudá-los. Ao mesmo tempo, na Presidência eu tive várias situações que exigiam um empenho maior de minha parte para conversar com o departamento jurídico da Câmara. Então, estou enfrentando um desafio, mas é isso mesmo que eu quero. Sei que vou aprender muito”, observou o presidente da Câmara.

Presidente Câmara Municipal Luiz Zanco Neto

Diálogo
Ao seu favor, Zanco tem a vantagem de ter um bom relacionamento com os secretários municipais e também com o prefeito Walter Caveanha (PTB). Embora o Legislativo e o Executivo sejam Poderes independentes, a relação entre eles se esbarra mais cedo ou mais tarde. E nessas ocasiões ter um relacionamento íntegro e aberto conta pontos positivos. “Já conversei com o prefeito e aqui, na Câmara, temos bem claro essa situação. Se o prefeito durante os próximos quatro anos estiver preparando um projeto de lei que não vá beneficiar a maioria da população, os vereadores não vão apoiar. Isso é fato. Por isso, manter um bom relacionamento é importante para que possamos se preciso for ter um diálogo aberto, a fim de chegar num consenso”, observou Zanco.

Eleito pela base aliada ao Governo Municipal, ele afirma que não pretende deixar o PTC (Partido Trabalhista Cristão) tão cedo. “Somente vou sair do PTC se for extremamente necessário. E acredito que isso não irá acontecer tão logo. Por isso, vou ficar no PTC, sim”, concluiu o presidente da Casa.

CONTENÇÕES

Zanco não vê possibilidade de aumentar número de vereadores

Presidente Câmara Municipal Luiz Zanco Neto Cauteloso e prudente, o presidente da Câmara descartou de imediato qualquer mudança no número de vereadores. Seja para aumentar o número de vagas para 13, 17, 19 ou 21, Zanco afirmou que pelo menos neste ano essa mudança não irá acontecer. “Não. Não tem jeito. Estamos passando por um momento de transformação em nosso país. Nossa Câmara, particularmente, está com o Ministério Público atento às nossas ações e não tem cabimento ir na contramão disso tudo. Até o ano que vem, garantimos que ficam os 11 vereadores apenas”, observou.

O mesmo discurso também serviu de argumentação para afirmar que o salário dos vereadores no valor de R$ 6,1 mil mensais também permanecerá congelado nesta cifra. Isso porque, timidamente, cogitou-se no fim do ano passado aumentar o valor salarial dos vereadores que pode chegar, por lei federal, até R$ 12 mil. “Mas isso também não vai acontecer. E os motivos são os mesmos. Não podemos ir na contramão de tudo o que vem sendo feito, inclusive na contenção de despesas. Mogi Guaçu tem uma Câmara enxuta tanto em gastos com o dinheiro público quanto em número de funcionários e vamos prosseguir nessa mesma linha”, assegurou o presidente da Casa.

 

Reformas e concurso

A reforma do atual prédio da Câmara é a pedra no sapato dos últimos presidentes da Casa. Isso porque, todos querem dar início às obras, mas também querem poder entregar a nova construção ou reforma. Porém, a viabilidade disso é quase nula, já que as obras demoram para serem concluídas, enquanto o mandato de um presidente do Legislativo tem duração de dois anos. “É meu sonho. Poder começar a construção de uma nova sede para a Câmara. Seria muito bom. Até porque, iríamos finalmente deixar esse prédio anexo à Prefeitura. Mas não será desta vez. Não há como fazer sequer o lançamento da pedra fundamental. Não temos orçamento suficiente para isso, por enquanto”, avaliou Zanco, reforçando que algumas melhorias na atual sede da Casa de Leis não poderão ser adiadas. “Aqui mesmo, no meu gabinete, têm muitas goteiras e já temos uma sala, no prédio, que está interditada. Não vamos conseguir esperar mais para fazer uma reforma”, pontuou.

Presidente Câmara Municipal Luiz Zanco NetoDiante de tantas negativas, o presidente da Casa assegura uma boa notícia: o concurso público para o Legislativo guaçuano. De acordo com Zanco, o concurso será, sim, realizado e toda a parte burocrática já está sendo concluída. “Precisamos contratar nossos próprios funcionários e o concurso público é fundamental nisso. Atualmente, temos muitos funcionários que são cedidos pela Prefeitura. E outro fato é que o concurso público vai nos permitir atrair pessoas qualificadas para as vagas disponibilizadas. Pretendo já neste primeiro semestre abrir as inscrições”, finalizou o presidente da Câmara.

Post anterior

Em Mogi, Cultura e Lyra fecham parceria

Próximo post

Tome Nota de sábado, dia 4