Home»Cidade»Dengue: Vírus tipo II é observado em cidades da região

Dengue: Vírus tipo II é observado em cidades da região

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Para constatar o tipo de vírus da dengue é preciso de exame de isolamento do vírus, feito até o terceiro dia do sintoma. O procedimento é difícil, conforme explicam as autoridades de saúde, porque as pessoas nem sempre procuram ajuda médica neste período. De qualquer forma, já foi solicitado aos prontos atendimentos que, se o paciente estiver no terceiro dia de sintoma, seja coletado o sangue e enviado para análise. A tipologia é feita pelo Instituto Adolfo Lutz, de Campinas.

Como na região, há circulação do vírus tipo II, acredita-se que este também esteja em circulação por aqui. Em Aguaí, por exemplo, já há um caso tipo II identificado. O tipo I, segundo a secretária municipal de Saúde, Clara Alice Franco de Almeida Carvalho, tem casos mais graves porque os sintomas são mais intensos do que o tipo II. “Pode circular os dois (tipos) ao mesmo tempo, nada impede”, observa.

A secretária explicou que a dengue é cíclica, ou seja, oscila com ano de poucos casos e outro com mais ocorrências. “Ano passado, já gerou preocupação ter apenas 14 casos porque a única forma de não pegar dengue é pegando. Com isto, todos os anos o total da população exposta é todos os que tínhamos mais aqueles que nasceram. Então, sempre aumenta a cada ano. Quem pegou tipo I não terá mais este tipo, mas pode ter os outros três”, detalha.

 

VULNERABILIDADE

Os idosos com comorbidades e as crianças menores de dois anos seguem sendo os mais vulneráveis às complicações da dengue. Em 2015, ano da epidemia da dengue, em todos os casos as pessoas tinham comorbidades, ou seja, outras doenças. “Os casos graves são sempre os que têm outras doenças crônicas”, diz Clara, lembrado que a gestante tem todo o organismo voltado para o bebê e não estimulado para se defender de outra doença, então também é vulnerável.

Este ano, não há óbitos em decorrência da dengue nem casos graves, apesar das internações de pacientes com plaquetas menores de 30 mil. “Interna para evitar o risco de hemorragia. Atualmente, as internações são rápidas voltadas à hidratação”, finaliza.

Post anterior

Vereadores pedem exoneração de secretária da Educação

Próximo post

Pais dizem que secretária culpa vereadores