Home»Destaque na Home»Curtas: briga no terminal e capturado por estupro

Curtas: briga no terminal e capturado por estupro

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Briga no Parque dos Ingás

Um segurança tinha parado o carro na área de estacionamento do terminal, no Parque dos Ingás. Nisso se aproximou um homem de 37 anos e pediu dinheiro. Ao negar e dizer que não tinha alegou que foi agredido a pedradas. Uma das pedras acertou a cabeça da vítima. Era por volta das 14h30 desta terça-feira (11). Ele foi por meios próprios até o pronto-socorro e não compareceu na delegacia para registrar a queixa de lesão corporal. Após ser ouvido pelo delegado o autor das agressões foi liberado.

 

Capturado por estupro

A juíza Cristiane Vieira Tavares Zampar, da Vara Criminal de Guaxupe/MG, solicitou apoio de policiais militares para efetuar a prisão de um homem acusado de estupro de vulnerável (criança /adolescente). O acusado estaria morando e trabalhando em Mogi Guaçu. Com dados levantados pela Justiça, os policiais Klin e Moreira da ROCAM (Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas) foram até um dos endereços, na tarde desta terça-feira (10). Num deles, encontrou um familiar que acabou indicando o endereço de residência de Dorival Aparecido Pail, 60 anos. Ao se dirigirem à residência dele, este estava de saída e foi localizado em uma rotatória da Avenida Honório Orlando Martini, no Jardim Novo I. O processo é do ano de 2012 e a sentença de prisão foi expedida no mês passado.

 

Capturado por furto

Horas depois, os policiais militares da ROCAM foram informados que o juiz Paulo Rogério Malvezzi havia expedido a sentença de condenação punitiva a Geovani Aparecido Alves Pacheco, 43 anos. Ele foi sentenciado a dois anos e 8 meses de prisão no regime semiaberto pelo crime de furto. Conhecido pela prática de crimes, os policiais iniciaram patrulhamento em locais por ele frequentado. Momentos depois de iniciada a busca, ele foi localizado, na noite de terça-feira (10), na Vila Paraíso, em local frequentado por usuários de drogas.  Com ele não havia nada de ilícito. O delegado Alexandre Henrique Leme Silva determinou a prisão para o cumprimento da pena.

 

Moeda falsa II

Acusado de passar nota falsa na ExpoGuaçu, o empresário A.C. F., 25 anos, se comprometeu a ressarcir o prejuízo do vendedor de cerveja que o denunciou. Os dois foram parar na delegacia no domingo (8) e, segundo o empresário, ao tentar devolver o dinheiro, o vendedor já tinha ido embora. Ele disse que também foi enganado e não sabia que as cédulas de R$ 20 eram falsas. Disse que desceu do camarote e comprou duas cervejas na arena usando uma nota de R$ 100. Horas depois, já no final da festa, com as notas de R$ 20 de troco comprou mais cerveja, totalizando R$ 62. “Ele não conferiu na hora e nem eu quando recebi de troco. E fui pra balada quando fui puxado por seguranças diante da acusação. Mas não quero que ele fique no prejuízo”.

 

Post anterior

Pedestre atropelado espanca motorista

Próximo post

Canteiros das praças centrais ganham placas