Home»Caderno Multi»Corrida: amiga da saúde física e emocional

Corrida: amiga da saúde física e emocional

0
Shares
Pinterest WhatsApp

A corrida tem se tornado cada vez mais um esporte popular no Brasil. Talvez pelo fato de ser uma prática simples de se iniciar e também pelo aumento na preocupação com a saúde física e emocional. A alta da atividade foi comprovada em uma pesquisa de 2018 feita pelo instituto de pesquisas esportivas Sport Track, onde 10.800 pessoas de 8 a 24 anos, de ambos os sexos e de todas as classes sociais, foram ouvidas para saber qual seria o esporte mais praticado do país.

O resultado aponta que 33,2% dos entrevistados afirmaram que tinham o costume de praticar corrida de rua ou caminhada, colocando, assim, o esporte na primeira posição, sendo seguido do futebol e de quem declarou ser sedentário. De acordo com o personal trainer Marcos Ferrari, hoje em dia, 85% dos atletas amadores estão voltados para a corrida. Apesar de ser uma atividade democrática e de pronta iniciativa, é preciso tomar alguns cuidados para evitar problemas como lesões por exemplo. Praticando a atividade física da maneira correta, o profissional garante que basta usufruir dos diversos benefícios que a corrida proporciona. E aí, bora correr?

DICAS VALIOSAS

Corrida exige cuidados para se beneficiar

O personal trainer Marcos Ferrari, 32, um adepto da corrida, pontua que muitas pessoas cometem alguns erros na hora de praticar a atividade física, ou seja, muitos acabam com problemas por não buscar orientação profissional e até mesmo médica por simplesmente acreditar que para correr basta calçar um tênis e sair por aí. “Começar é importante, mas com a falta de orientação existe um risco neuromuscular e cardiovascular”, explicou o profissional que ainda disse que a pessoa também pode sofrer uma entorse, ou no joelho ou no cotovelo, por exemplo. Ferrari esclarece que o acompanhamento de um profissional é de extrema importância, já que ele vai realizar uma avaliação física com o objetivo de identificar qual quadro de saúde a pessoa apresenta de acordo com sua faixa etária, além de saber de históricos de lesões e se a pessoa costume dormir e se alimentar bem. “Com isso, é possível saber o volume de treino necessário na semana”.

Marcos Ferrari comenta sobre os benefícios

Estando ciente de seus limites físicos, o amador que iniciar na corrida poderá usufruir de inúmeros benefícios. De acordo com o personal trainer, toda atividade física libera os hormônios do bem-estar que são a endorfina e a serotonina, mas na corrida esses hormônios são liberados em maiores quantidades. “A endorfina combate o cortisol que é o hormônio do estresse”. Ferrari ainda disse que as mulheres são as mais beneficiadas, já que a liberação dos hormônios do bem-estar auxilia na queda de cabelo, no fortalecimento das unhas e no combate a perda de massa muscular. Ele ainda lembra que corrida beneficia toda parte cardiovascular. “Ela regulariza a pressão e evita o entupimento das veias, lembrando sempre que é preciso orientação médica para quem tem problemas”.

A corrida também ajuda a combater as doenças emocionais como ansiedade e depressão. Ferrari relata que tem muitas alunas mulheres que ficaram com o psicológico destruído depois de realizarem a cirurgia bariátrica. “Elas começaram a correr e passaram a se amar novamente”.

EX-OBESA

“Quero correr para o resto da minha vida”, diz Bruna

A advogada Bruna Daniele de Godoy Santos, 33, tem uma história para lá de inspiradora. Em 2016, com 29 anos, ela estava pesando 85 quilos, e de acordo com sua altura – 1,62 – recebeu o diagnóstico de grau de obesidade. Nem um pouco feliz com a condição física, Bruna resolveu arregaçar as mangas para lutar contra o sobrepeso. O primeiro passo foi fazer uma reeducação alimentar. De maio a dezembro daquele ano, a advogada perdeu 14 quilos e chegou no peso que almejada; 65 quilos. A partir disso, buscou uma atividade física para poder manter o peso.

Advogada se apaixonou pela corrida

Em janeiro de 2017, a corrida entrou na vida de Bruna de uma maneira que ela não imaginava. “Inicialmente, o que era um exercício virou um hobby, uma paixão”, comentou ao contar que hoje em dia, os treinos acontecem três vezes por semana e são atrelados também a academia. Já nos finais de semana, a advogada procura participar de competições. “O final de semana que não tem prova eu saio para correr com meus amigos”.

Bruna contou que no início uma amiga, que é professora de educação física, treinava com ela, passando algumas orientações profissionais. Em 2018, ela começou a treinar com um professor e atleta. “Agora, meus treinos são supervisionados pelo Aparecido Risso”. E para inspirar mais ainda, a advogada lembrou que trabalha durante o dia como coordenadora administrativa em uma empresa de Mogi Guaçu e ainda é casada, o que significa que tudo é uma questão de organização do tempo. “Minha família é minha grande incentivadora, meu marido, meus pais e minha irmã e cunhado”. Bruna afirma que depois que começou a correr sua vida mudou por completo, até mesmo porque até então ela era uma pessoa sedentária. “Nunca gostei de fazer exercício nenhum, nenhum esporte e hoje sou uma pessoa mil vezes mais ativa e mais feliz do que há quatro anos”.

Em julho deste ano, ela correu meia maratona da SP City, na Capital, onde percorreu 21 km. “Cada corrida é uma superação”, ressaltou ao pontuar que muitos amigos a abordam para elogiar a sua prática. No entanto, muitos se lamentam dizendo que também queriam correr, mas que não conseguem por conta do sedentários. “Eu era essa pessoa que não conseguia, que não corria, que não fazia nenhuma atividade. E meu passo inicial foi começar”. Com isso, ela deixa o incentivo a todos. “Sou uma ex-obesa que hoje ama correr e não quer mais parar”.

NUNCA É TARDE

Aposentada começou a correr sem pretensão

Mariulza Alves Silva é a prova viva de que não existe idade para começar a correr. Com 79 anos, ela já participou de várias competições e se tornou uma verdadeira medalhista, tanto que tem mais de 100 em sua casa. A aposentada contou que começou a correr com 65 anos e que tudo aconteceu sem nenhuma pretensão. Ela lembra que fazia ginástica e certo dia uma amiga indagou se ela gostaria de correr.

Mariulza foi primeira em vários pódios

Mesmo nunca tendo praticado o esporte, ela disse que sim, e com isso, seguiu as orientações da amiga e procurou pelo técnico Aparecido Risso. Os treinos tiveram início no Ginásio de Esportes “Carlos Nelson Bueno”, o Furno, onde hoje em dia Mariulza corre 3 km e 200 todas às terças-feiras. Ela contou que nos demais dias realiza seus treinos por conta própria. “Eu saio do Jardim Ypê II e vou correndo até o Centro da cidade, depois volto subindo a Rua Chico de Paula”. A aposentada também participa de corridas de rua com percursos de 5 km.

Ela lembra que uma de suas maiores alegrias foi quando conseguiu sair de sua casa e literalmente correu até Mogi Mirim. Sendo um exemplo de que nunca é tarde para começar, dona Mariulza disse acreditar que basta querer. “Para mim, muitas pessoas não fazem atividades físicas porque não querem”.

Feliz e cheia de vontade, a aposentada afirmou que só vai parar de correr quando Deus mandar. “Eu deslanchei e não paro mais”.

Previous post

Tome Nota da edição de sábado, dia 14

Next post

PF descarta participação de prefeito em esquema