Home»Destaque na Home»Cidade lidera ranking de queimadas

Cidade lidera ranking de queimadas

Falta de chuva favorece queimadas nas áreas urbana e rural; os casos de incêndio criminoso aumentam nesta época

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Com 14 focos de incêndio registrados de janeiro a junho deste ano, Mogi Guaçu lidera o ranking do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) que aponta as cidades do Estado de São Paulo com o maior número de queimadas. Os dois municípios que seguem Mogi Guaçu fechando as três primeiras ocupações da lista são da região central do Estado, Cafelândia com 12 focos em segundo lugar e Analândia com 10 focos na terceira posição. Em todo o Estado já foram registrado 468 casos no período. Apesar da grande preocupação, o número representa uma queda de 28% com relação ao ano passado.

O coordenador da Defesa Civil de Mogi Guaçu, Carmelito Osório Silveira, comentou o fato de Mogi Guaçu liderar o ranking do INPE. “O monitoramento do instituto acontece 24 horas por dia devido ao satélite que detecta qualquer foco de incêndio em uma área mínima de 200 metros e isso gera um relatório, sendo que no momento os focos estão acontecendo em nossa região”. Com isso, Silveira orienta que a população tenha ações que evitem os incêndios como não acumular entulho fora das datas de recolha da Prefeitura e manter os terrenos baldios limpos. “Quando realizar a roçagem do terreno coloque o mato cortado em sacos, a fim de dar a eles o descarte correto”.

Silveira
Silveira

O coordenador ainda pede que as pessoas ajudem os órgãos competentes a fiscalizar as áreas verdes, tanto nas cidades quanto nos bairros rurais. “Se você flagrar um vizinho colocando fogo em um espaço indevido ou em entulho ligue na Defesa Civil no número 199, na Secretária de Serviços Municipais (SSM) da Prefeitura ou no 193 do Corpo de Bombeiros”. Desta forma, ele garante que é possível chegar ao local a tempo de multar a pessoa que está cometendo o ato infracional.

O valor da multa vai variar de acordo com o tamanho da área. Em casos mais graves até mesmo a CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) é acionada. “Se a população vê quem coloca fogo e não nos avisa fica difícil a gente chegar ao local a tempo de punir o autor do crime”. O coordenador ressalta que evitar os focos de incêndio é um benefício para o meio ambiente e a saúde de todos, principalmente de quem já tem problemas respiratórios. “Diminuindo os focos, diminuímos também os atendimentos nos postos de saúde que aumentam com o tempo seco”.

 

Festas tradicionais

As pessoas ainda devem tomar cuidado com as festas juninas e julinas. Silveira orienta que as festas devem ser realizadas em locais adequados e com uma brigada de incêndio. “Se acontecer algum imprevisto já terá um socorro de pronto”. Além disso, ele lembra que muitos balões são a causa de incêndios ocorridos em áreas de mata. “Não solte balão, a prática é crime”. Quanto às fogueiras, a orientação é para que elas não sejam feitas perto de matos secos. “Também sempre lembramos que os fogos de artifícios devem ser manuseados conforme as regras de segurança”.

 

Operação Estiagem

A Defesa Civil está antecipando os trabalhos preventivos contra os focos de incêndio em toda a cidade. Com isso, existe uma equipe que já trabalha no monitoramento das queimadas. A Operação Estiagem tem data oficial para começar no dia 1º de julho, mas Silveira informou que palestras em escolas e empresas privadas já podem ser solicitadas, como também encontros com munícipes, a fim de discutir sobre o tema. 

QUE FUMAÇA É ESSA?

Aumenta o número de incêndio criminoso pela cidade

 No último domingo (16), muitos bairros da cidade, principalmente os da Zona Norte, ficaram debaixo de uma densa fumaça. Sem saber ao certo o porquê da nuvem de queimada, muitos questionaram o que estava acontecendo, enquanto outros reclamavam da péssima qualidade do ar.

fogo galhos rua araras sao carlosDe acordo com o Corpo de Bombeiros, a fumaça que tomou conta das ruas vinha de uma área de mata localizada no Jardim Limoeiro, onde a equipe precisou de mais de três horas para isolar o fogo que, ao final da ocorrência, foi combatido.

O coordenador da Defesa Civil, Carmelito Osório Silveira, afirmou que o episódio atingiu uma área de médio porte e que ao que tudo indica trata-se de um incêndio criminoso, no qual o autor não foi identificado. “Neste dia, o vento estava sentido ao Centro e isso carregou muita fumaça e fuligem para vários pontos da cidade”, comentou.

Já no início do mês, moradores das Ruas Araras e Serra Negra, no Jardim São Carlos, levaram um susto ao presenciarem um incêndio ocorrido em um monte de entulho que estava amontoado em frente a um terreno de esquina. O Corpo de Bombeiros foi chamado e conteve as chamas que estavam altas e quase atingiram a fiação elétrica.

Assim como no caso do Limoeiro, a pessoa que colocou fogo no entulho não foi identificada. Com isso, a Defesa Civil reforça o pedido de que as pessoas façam denúncias no número 199.

Queimada Jd Santa Marta

Post anterior

Ex-prefeito será intimado a devolver R$ 2 milhões

Próximo post

Nico Lanzi: Parte da via está asfaltada e obras seguem