Home»Cidade»Capelinha ganha sino; missa marca fim do restauro

Capelinha ganha sino; missa marca fim do restauro

A Capelinha é de responsabilidade da Paróquia Imaculada Conceição, que organizou o restauro

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Uma missa celebrada na quarta-feira (15), às 19h30, marcou o fim do restauro da Capelinha Nossa Senhora Aparecida, Centro, após trabalho coordenado por Osvaldo Luís Chiarini. A celebração pontuou também o acionamento do novo sino doado por Geraldo Aciarini. A Capelinha é de responsabilidade da Paróquia de Imaculada Conceição, que tem como pároco, o padre João Paulo Ferreira Ielo.

Entusiasta da preservação da Capelinha, o padre recorda que ela foi construída por Luiz Martini. À época, toda a área era da família Martini, ou seja, aos fundos da extinta cerâmica de mesmo nome. Com o fechamento da empresa, após o passar de muitos anos, a área foi vendida e o novo proprietário decidiu entregar a Capelinha à Paróquia de Imaculada Conceição.  

capelinha martini“Todo o entorno foi reformado, mas o que mais marcou esta obra foi a generosidade das pessoas, o Osvaldinho que resolveu organizar o restauro, começando pelos bancos novos, depois altar e a mesa da palavra”, adianta o padre. Ele conta que observaram que precisariam de ajuda financeira para a obra. “No fim das contas, ele (Osvaldo) foi organizando, chamando um, outro. A maioria das doações são anônimas para que a gente perceba esta seriedade e fidelidade do povo, a fé calorosa e o amor a Nossa Senhora”, justifica o padre.

Com o restauro, João Paulo atenta que foi preservado não apenas um local de culto e oração, mas que também conta a história de muita gente. E, pontua, serve para que os guaçuanos contem a história de certas edificações, como a escola estadual “Padre Armani”, a Matriz de Imaculada Conceição e a estação de trem que “precisam ser preservados porque é a nossa história sendo contada nestes lugares”.

Padre João Paulo diz que o que fica de todo este processo de restauro é a gratidão a todos que ajudaram. “Não tem verba pública, nem Lei Rouanet, nada de fora, é 100% de doação do esforço do povo de Mogi Guaçu”, enfatiza.

 

MANTO

A Capelinha de Nossa Senhora Aparecida, de fato, chama atenção de quem passa pela Rua Hugo Panciera e também daqueles que chegam à via pelo novo loteamento daquela região. Para João Paulo, trata-se do novo cartão-postal da cidade, numa área que ficou mais bonita e na qual a Capelinha ganhou destaque.

Além disso, ele conta sobre a surpresa que teve ao ver a Capelinha à noite, quando foram acesas as luzes da torre, antigamente chamada de corintinha por causa das cores preta e branca. “Misteriosamente, quando a gente chega pela frente da Capelinha, observando bem, parece que estamos vendo o manto de Nossa Senhora”, detalha.

Post anterior

Itaqui pega Família Souza na segunda rodada da 1ª Divisão

Próximo post

Após cinco anos, Prefeitura anuncia asfalto no Jardim Damasco