Home»Destaque na Home»Cadê o Poder Público?, questiona vereador

Cadê o Poder Público?, questiona vereador

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

O vereador Natalino Tony Silva (Rede) fez um desabafo durante seu discurso na sessão da Câmara da última segunda-feira (15) e não economizou nas críticas ao governo do prefeito Walter Caveanha (PTB). O vereador disse que tanto ele quanto os demais vereadores estão sendo cobrados pela população para que os diversos problemas da cidade sejam resolvidos. Ele ressaltou que o Legislativo tem feito o papel dele de fiscalizar e cobrar o Executivo, mas que este falha quando deixa de fazer os serviços.

Natalino citou a falta de coleta de entulho, a morosidade na coleta de galhos, a falta de manutenção no serviço de iluminação pública, a falta de tapa-buraco, entre outros. “Além do grave problema da merenda, todos os dias nos deparamos com muitas reclamações dos munícipes que nos procuram. Está nascendo bananeira na calçada devido à falta de limpeza pública”, criticou o vereador ao citar o prefeito Walter Caveanha.

Natalino ressaltou que a Prefeitura falha ao não fazer as licitações dentro do prazo e desconfia que a medida vem sendo tomada como forma de economia. “O quanto a Prefeitura não economizou nesses três meses sem comprar carne para a merenda das escolas. Por que não fazem licitação antes do contrato vencer. Ninguém sabia que ia vencer?”, questionou o vereador ao comentar que o município está sem o serviço de manutenção da iluminação pública, uma vez que o contrato anterior venceu. O processo licitatório foi aberto pela Prefeitura na semana passada e o pregão presencial será feito no dia 7 de maio. Natalino também criticou os diversos buracos existentes nas vias da cidade, principalmente nos bairros mais distantes. “Buraco é o que já disse e volto a dizer que tem buraco no acostamento esperando vaga para entrar no meio da rua. Está feia a coisa”, relatou.

O vereador da Rede foi enfático ao dizer que a cobrança é feita ao prefeito, pois os secretários respondem a ele. “Eu não estou aqui para culpar secretário. Estou aqui para falar da pessoa que tem a caneta na mão, que é o prefeito Walter Caveanha. Quem foi eleito foi ele e é ele quem dá a ordem. Quem tem a caneta na mão tem que dar seus pulos. Cadê o Poder Público?”, criticou.

Outros vereadores também cobraram em seus discursos diversas ações da Administração Municipal, principalmente com relação ao andamento da obra da Avenida Nico Lanzi, falta de sinalização, inclusive dos buracos existentes, reabertura da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) no Jardim Santa Marta e retomada as obras paralisadas, principalmente das creches. “O chefe do Executivo não tem pulso para cobrar seus secretários. Estamos aqui gritando para surdo ouvir”, ressaltou o vereador Fábio Aparecido Luduvirge Fileti (PSDB).

buraco jd suecia

É só olhar

O secretário de Obras e Viação, Salvador Franceli, disse que tem gasto cerca de 20 toneladas de massa asfáltica por dia para tapar os buracos na cidade e que o serviço de tapa-buraco tem sido feito. “Acho que eles (vereadores) têm que mostrar onde tem o buraco que mando tapar, pois é só olhar na cidade e ver que estamos trabalhando”, comentou.

Segundo ele, dois caminhões foram destinados para o trabalho e atender toda a cidade. “É claro que a chuva atrapalha, mas, mesmo assim, estamos fazendo o trabalho. É só olhar a quantidade de buraco fechado”.

Sobre a iluminação pública, Salvador disse que uma equipe da SOV irá atender os casos mais urgentes até que nova empresa seja contratada. E sobre a sinalização dos buracos, ressaltou que todos são sinalizados. “Todos são sinalizados de acordo com a lei”.

A Secretaria de Serviços Municipais já havia informado que a chegada dos caminhões para a coleta de entulho está prevista para o final do mês, quando o serviço será retomado. A assessoria de imprensa da Prefeitura informou que “as licitações atendem rigorosamente a lei 8.666/93, sempre em busca do menor preço de mercado. Na verdade, houve um grande volume de licitações realizadas no mesmo período, devido ao término de muitos contratos firmados no início da administração, e em alguns casos, ocorreram intercorrências”.

Post anterior

Concurso de fotografia já tem vencedores

Próximo post

Fátima Fílon expõe no Espaço Cultural da Acimg