Home»Cidade»Aposentado completa um mês sem atendimento

Aposentado completa um mês sem atendimento

Serviço de atendimento em domicílio é ofertado pelo CEM, mas paciente está sem tratamento

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Há cinco anos, um acidente de moto transformou a vida do casal Antonio Doniseti Toteni e Valéria de Toledo Ceregatti Toteni. Desde então, a dona de casa se dedica integralmente aos cuidados com o marido que ficou com várias sequelas, entre as quais, não andar e não falar. Todo o atendimento do qual o aposentado precisa é feito pelo SUS (Sistema Único de Saúde), entre os quais, a equoterapia e a fisioterapia. O problema é que a fisioterapia não é realizada há um mês, apesar de insistentes contatos junto à Secretaria Municipal de Saúde.

Segundo Valéria, o marido esteve em tratamento por alguns anos no Centro de Reabilitação Lucy Montoro, em Mogi Mirim. No entanto, ele teve alta do serviço, após a equipe constatar que o objetivo com o trabalho já havia sido atingido sendo necessária apenas a manutenção, visando evitar o atrofiamento. Com isto, a dona de casa recebeu um encaminhamento para que o marido prosseguisse com o atendimento em domicílio, o que seria ofertado pelo CEM (Centro de Especialidades Médicas) do Hospital Municipal “Dr. Tabajara Ramos”.

Valéria
Valéria

“Eles até começaram, mas depois a fisioterapeuta tirou férias, veio outro no lugar, fez quatro sessões e me avisou que a profissional voltaria das férias e reassumiria o trabalho”, detalha. No entanto, Valéria diz que isso aconteceu há mais de um mês e ninguém mais voltou. Por isso, reclamou na Ouvidoria da Saúde e no setor responsável pelo atendimento home care, porém ninguém deu um parecer. O medo da dona de casa é o de perder todo o trabalho realizado ao longo de anos.

 

PREFEITURA

De acordo com a assessoria de imprensa da Prefeitura, ainda hoje (1º de agosto) o paciente passará por nova avaliação em domicílio. O procedimento, segundo o apurado, já estava marcado e teria sido informado à Ouvidoria da Saúde quando da queixa apresentada pela mulher do paciente.

Foi explicado que mesmo antes do atendimento domiciliar, Antonio passou por fisioterapia no CEM, sendo encaminhado para atendimento domiciliar que, por sua vez, é realizado através da UPA (Unidade de Pronto Atendimento). A informação é de que o paciente não chegou a ficar desassistido. Com base nesta nova avaliação, haverá definição se o paciente segue em atendimento domiciliar ou no CEM.

reclamacao fisioterapia valeria e antonio

Post anterior

Motorista foge e deixa vítima no chão

Próximo post

Atiradores do TG visitam o Lar Padre Longino