Home»Destaque na Home»Altas temperaturas aumentam riscos de afogamentos

Altas temperaturas aumentam riscos de afogamentos

No último sábado (15), uma criança de apenas três anos morreu afogada

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

O verão começou oficialmente nesta sexta-feira (21), mas os casos de afogamentos registrados nessa época de altas temperaturas aconteceram antes mesmo de a estação mais quente do ano se iniciar. Nos últimos dias, duas pessoas morreram vítimas de afogamento.

O primeiro caso aconteceu no sábado (15), em um sítio de Estiva Gerbi, onde uma criança, de três anos, desapareceu e depois de três horas de buscas foi encontrada sem vida em um lago. O cão Max da equipe do canil foi quem indicou o lago aos seus condutores. Os mergulhadores do Corpo de Bombeiros entraram no local e encontraram a criança já sem vida.

Já na manhã de terça-feira (18), o Corpo de Bombeiros encontrou o corpo de Jonathan Lucas da Costa Ferreira, de 16 anos, no Rio Mogi Guaçu, na altura do Jardim Limoeiro. A família identificou Jonathan e relatou que ele estava desaparecido desde as 18 horas de domingo (16).

No caso da criança, não existem informações que dão conta de que ela foi atraída pelo lago devido ao calor, mas essa é uma possibilidade, já que aquele era um sábado quente e criança gosta de mexer em água. Com relação ao adolescente encontrado no rio, o Corpo de Bombeiros informou que relatos de pessoas que estavam no local dão conta de que Jonathan entrou no rio com outros amigos para nadar e se afogou ao tentar atravessar.

O capitão do Corpo de Bombeiros, Alexandre Riquena Costa, disse que a imprudência é a maior causadora de afogamentos. “É inacreditável, mas a quantidade de pessoas que entram em rios sem saber nadar e acabam morrendo afogada é muito grande. Às vezes a pessoa acha que vai entrar em uma parte rasa, mas acaba caindo em um buraco, já que o rio não é nivelado e engana”, explicou.

afogamento rio mogi guacuPor isso, o capitão ressaltou que o Corpo de Bombeiros sempre orienta as pessoas a não utilizar rios e lagoas para se refrescarem. “O ideal é frequentar piscinas de clubes, onde tem a presença de salva-vidas. Com relação a crianças, a atenção deve ser redobrada e ela nunca deve ficar sozinha na água, sempre com um adulto por perto”.

Já quem tem piscina em casa deve sempre manter ela cercada ou coberta para evitar o acesso de crianças. “Não use a piscina sozinho, tem que ter pelo menos dois usuários porque existe o risco de acontecer um mal súbito, uma câimbra ou alguém passar mal e se afogar sem ninguém ver”, pontuou o capitão Riquena que ainda lembrou que água não combina com álcool. “Pessoas embriagadas também são vítimas constantes de afogamentos. Nunca ingira bebida alcoólica quando for nadar, é perigoso, tanto que a gente atende muitos casos de pescadores que morrem afogados por esse motivo”.

Cuidados também devem ser tomados por pessoas que presenciam alguém se afogando. “A ajuda a uma vítima deve ser dada por meio de um objeto como um pedaço de bambu, pau ou uma corda. Entrar na água para ajudar coloca a vida em risco porque a pessoa em pânico costuma agarrar o pescoço da outra pessoa que também acaba se afogando, e nesses casos, ligue o mais rápido possível para o Corpo de Bombeiros”, finalizou o capitão.

No próximo dia 2, o Corpo de Bombeiros vai realizar nas dependências do Buriti Shopping a “Operação Educar para Prevenir”, na qual ações educativas serão apresentadas a população com o objetivo de diminuir os casos de afogamentos na cidade.

Post anterior

Geoprocessamento pode ajudar receita do município

Próximo post

EM DESTAQUE, 22 de dezembro de 2018