Home»Destaque na Home»Acusados de matar andarilho são condenados

Acusados de matar andarilho são condenados

Dois dos três acusados foram condenados a 14 anos de prisão e um terceiro a um ano pela ocultação de cadáver

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Aconteceu nesta quinta-feira (13), no Fórum da cidade, o julgamento dos três acusados de terem matado e depois jogado no rio o corpo do andarilho José Aparecido Tomé, de 29 anos. O crime aconteceu em junho de 2014, quando a vítima foi assassinada por outros moradores de rua, na Praça Cândido Rondon, no Centro da cidade. Tomé levou uma pedrada na cabeça e depois foi jogado no rio.

Na época, a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) identificou e prendeu em menos de uma semana os três acusados do homicídio. Alex da Silva Félix, conhecido como “Buiu”, Eduardo Aparecido Bender e Edson Chagas, o “Samuel”, foram presos preventivamente e desde então estavam no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Hortolândia.

No julgamento desta semana, o promotor sustentou diante de um júri popular formado por sete jurados a acusação de homicídio duplamente qualificado pelo motivo fútil e pelo recurso que dificultou a defesa da vítima. O promotor também sustentou como crime conexo o de ocultação de cadáver, que os três acusados concorreram para estes crimes. O conselho de sentença entendeu pela condenação de Eduardo Aparecido Bender e Edson Chagas pelo crime de homicídio duplamente qualificado e pelo crime de ocultação de cadáver. Os dois foram condenados a 14 anos de reclusão em regime fechado.

Alex já cumpriu a pena
Alex já cumpriu a pena

O advogado de defesa de Alex da Silva Félix, Natalino Polato, informou que o seu cliente foi absolvido em relação ao crime de homicídio. “No julgamento do crime de ocultação de cadáver, o júri entendeu a condenação dos três. O Alex foi condenado apenas por ocultação de cadáver e como a pena para esse crime é de um ano e ele ficou preso por mais de quatro anos, já saiu o alvará de soltura dele”, explicou o advogado.

Natalino Polato ainda informou que os advogados dos dois condenados pelo homicídio de Tomé já manifestaram que vão recorrer da decisão do juiz presidente do tribunal do júri, Paulo Rogério Malvezzi.

Eduardo Preso Caso Homicídio Tomé

Preso Buíu e Edson Caso Homicídio Tomé

 

 

 

 

Post anterior

Cucchi conquista título de duplas no Brasileiro em Salvador

Próximo post

Guaçuano participa de curso de formação em Pouso Alegre