Home»Política»“A Santa Casa não tem partido”, dizem representantes

“A Santa Casa não tem partido”, dizem representantes

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

O provedor da Santa Casa de Mogi Guaçu, Romildo Fontaniello, e o atual administrador da instituição, Aldomir Arenghe, compareceram à sessão da Câmara Municipal na segunda-feira (3) e reuniram-se com os vereadores para reforçarem a importância da Santa Casa receber total apoio do Legislativo. De acordo com Romildo, a Santa Casa está ciente de que tem uma dívida de R$ 200 mil para com o Samae (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto) referente ao fornecimento de água.

No entanto, ele em coro com Aldomir Arenghe, afirmou que o hospital não tem condições financeiras para pagar essa dívida e, por isso, pede ao prefeito Walter Caveanha para que faça a remissão desse débito. “Nós sabemos que estamos devendo, mas não temos condições de pagar. O impasse maior é que, mesmo sabendo que a Prefeitura e o Samae não vão cortar o fornecimento de água para a Santa Casa, ter esse débito num valor tão alto nos incomoda muito. A Santa Casa não quer ficar devendo. Isso pesa na nossa consciência. Por isso, pedimos para que o Governo Municipal conceda a remissão desse débito para a instituição”, observou Romildo.

Aldomir Arenghe contou que o deficit da Santa Casa está em aproximadamente R$ 270 mil por mês. “Temos toda a nossa contabilidade sob controle e ela está aberta para quem quiser verificar. Aos poucos, estamos prestando contas de todas as campanhas feitas em prol da Santa Casa e vamos buscando, assim, reforçar a credibilidade junto à população e aos empresários que sempre ajudaram a instituição”, comentou.

sessao de camara santa casaAmbos os representantes da Santa Casa confirmaram que já foram procurados pelo prefeito, a fim de conversarem sobre o assunto para que não seja tomada nenhuma atitude inconstitucional por parte da Prefeitura. “Também não queremos nada que seja fora das regras e da legislação. Queremos encontrar uma saída que seja boa e eficiente tanto para a Santa Casa quanto para a Prefeitura para que ninguém seja prejudicado”, frisaram Romildo e Arenghe. “Precisamos sempre lembrar que a Santa Casa não tem partido político e atende a todos que precisam de atendimento de urgência e de emergência, principalmente do SUS (Sistema Único de Saúde). Não podemos ser refém só de partidos”, completou Romildo.

Os dois concordaram em aguardar pela decisão do prefeito, que terá de encaminhar um Projeto de Lei para ser votado pela Câmara Municipal tratando exclusivamente destes assuntos: o perdão da dívida da Santa Casa para com o Samae e a isenção da cobrança da taxa de serviços de água e esgoto.

Post anterior

Oposição tenta emplacar lei que isenta Santa Casa de pagar água

Próximo post

Terapia: melhor caminho para vencer traumas