Home»Destaque na Home»2018 fecha com 12 homicídios e apenas dois casos esclarecidos

2018 fecha com 12 homicídios e apenas dois casos esclarecidos

12 casos foram registrados na cidade ao longo do ano passado e a maioria segue em investigação pela Polícia Civil

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Mogi Guaçu fechou 2018 com o registro de 12 homicídios. Um caso a mais que o ano anterior, quando 11 pessoas foram assassinadas. A investigação da grande maioria dos crimes, ou seja, nove deles ficou por conta da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), que tem como delegada titular Edna Salgado Martins.

Ela informou que dois homicídios foram esclarecidos. Os de André Luiz Cabral da Silva, de 18 anos, que no dia 2 de junho foi encontrado morto no Jardim Santa Cruz, e de Edvaldo de Jesus, de 27 anos, esfaqueado no dia 6 de agosto em Martinho Prado Júnior. Os outros sete homicídios seguem com as investigações em andamento.

A delegada explicou que existem fatores que dificultam chegar de maneira rápida a identificação dos autores dos crimes. “Quando você acha um corpo em um local ermo, onde não tem testemunhas e não tem câmeras fica mais difícil. Um exemplo é o caso do Ypê Amarelo, onde um corpo foi encontrado numa plantação. Outro ponto que dificulta também é quando a morte está relacionada com droga”.

Edna
Edna

O exemplo citado por Edna do Ypê Amarelo diz respeito a morte de José Alves da Silva, de 44 anos. No dia 12 de junho, ele foi encontrado morto em uma plantação no Residencial Ypê Amarelo.

A delegada ainda ressaltou que não existe um tempo previsto para a resolução dos crimes, já que cada caso é um caso. “Enquanto houver diligências para serem feitas, elas serão feitas até chegarmos a um fechamento”, finalizou.

Outros três homicídios, que somam os 12 casos de 2018, seguem em outras delegacias da Polícia Civil. 

 

2019

Neste ano foram registrados dois homicídios na cidade. O primeiro caso foi no Jardim Nova Odessa, onde na madrugada do último dia 4 Valdacir Uzai, de 59 anos, foi encontrado morto na rua com ferimentos feitos com uma arma branca, possivelmente uma faca.

Já o segundo homicídio foi registrado na noite do último domingo (6), em Martinho Prado Júnior. Alisson Santos da Silva, de 20 anos, foi esfaqueado pelo próprio primo na noite do dia 30. Ele morreu na UTI da Santa Casa de Limeira.

O autor das facadas que matou Alisson, Dênislânio Lima Silva, de 24 anos, foi detido e está preso no Centro de Detenção Provisório (CDP) de Americana.

Post anterior

Usuários e funcionários são rendidos por homens armados

Próximo post

Artigo: A postura da OAB de Mogi Guaçu