Home»Destaque na Home»Zanco quer reajuste salarial de 20%

Zanco quer reajuste salarial de 20%

Se for aprovado, o aumento de salário será apenas para os funcionários efetivos da Casa; comissionados estão fora

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

O presidente da Câmara de Mogi Guaçu, Luiz Zanco Neto, o Zanco da Farmácia (PTC), já prepara o projeto de lei que visa aumentar em 20% o salário dos 19 servidores que trabalham na Câmara. A medida é tratada por Zanco com extrema importância, já que o valor do salário destes servidores – que são efetivos– está defasado e abaixo dos valores praticados em outras cidades da região. “O SindiCâmara já nos notificou sobre isso e pede para que seja feita a correção o quanto antes. Não estamos em ano eleitoral, são apenas 19 funcionários que trabalham aqui, na Câmara, e precisam dessa valorização. A Casa está perdendo funcionários competentes por causa do baixo salário. O próprio concurso público que a Câmara Municipal abriu atraiu poucos candidatos, justamente porque os salários oferecidos não são atrativos”, justificou Zanco.

O concurso público da Câmara recebeu 3.744 inscrições. O número é considerado baixo pelo presidente da Casa que esperava ultrapassar os 15 mil inscritos, já que o índice de desemprego está alto e o concurso público abrange todo o território nacional, principalmente a região de Mogi Guaçu. “Mas os salários estão muito baixos e a pessoa calcula que ainda haverá os descontos na folha de pagamento. Ou seja, atrai menos ainda. O projeto de lei será justamente para corrigir essa defasagem que vem se acumulando há anos, mesmo assim ainda ficará abaixo dos valores praticados nas Câmaras Municipais da nossa região”, frisou Zanco.

Zanco
Zanco

O presidente da Casa disse que fez uma pesquisa criteriosa para justificar a necessidade de conceder o reajuste de 20% aos salários dos servidores efetivos da Câmara. “Em Hortolândia, por exemplo, o motorista da Câmara Municipal recebe R$ 3,1 mil por mês. Este mesmo cargo em Mogi Guaçu não chega a R$ 1,5 mil. As recepcionistas da Câmara de Estiva Gerbi recebem R$ 1,1 mil e em Mogi Guaçu este valor está bem abaixo. Até o cargo de assistente legislativo na Câmara estivense recebe o salário maior do que em Mogi Guaçu. Lá é quase R$ 3 mil. Aqui é pouco mais de R$ 2 mil”, comparou Zanco.

O projeto de lei já foi lido em plenário e tramita na Comissão de Justiça e Redação e ainda terá de passar pela Comissão de Finanças. Em cada uma delas o prazo para análise é de 15 dias. Após este trâmite, o projeto de lei seguirá para votação dos vereadores.

Se for aprovado, o reajuste de 20% nos salários dos 19 servidores efetivos da Casa representará R$ 9, 9 mil a mais por mês na folha de pagamento da Câmara Municipal. Ao ano, este valor será de R$ 129,1 mil a mais. “É um valor pequeno que será acrescido na nossa folha de pagamento. Não são valores exorbitantes. Tanto é que ainda estaremos dentro do limite que a legislação nos permite”, pontuou Zanco.

De acordo com ele, a Prefeitura repassa R$ 720 mil por mês como duodécimo para a Câmara Municipal. Deste montante, até 70% pode ser usado para quitar a folha de pagamento. Atualmente, é gasto 59%. “Ainda ficaremos abaixo dos 70%. A Câmara tem receita própria, ou seja, não temos nada com a Prefeitura. Ela só faz o repasse do duodécimo”, concluiu.

REJEIÇÃO

Projeto de lei dá sinais de que já nasce ‘morto’

 Embora ainda esteja sendo analisado pelas Comissões da Câmara, o projeto de lei que trata do reajuste salarial para os servidores efetivos da Casa em 20% não agrada boa parte dos vereadores. Inclusive, são grandes as chances de o projeto ser rejeitado pelo plenário na hora da votação.

Luciano
Luciano

A Gazeta conversou sobre o assunto com a maioria dos 10 vereadores, que se manifestou contrária a proposta. Uma das razões é que o momento econômico e político que o país atravessa não oferece tranquilidade para concessão de reajuste salarial de 20%. O vereador Luciano Firmino Vieira, o Luciano da Saúde (PP), por exemplo, disse que é enorme o desgaste político que este projeto de lei irá trazer. “Juridicamente eu sei que é correto conceder esse reajuste salarial. Os servidores da Casa merecem, porque eles trabalham muito lá dentro e são competentes, mas moralmente eu não posso votar um projeto desses. Como ficam os demais servidores municipais que trabalham na Prefeitura que tiveram só 4,23% de aumento no salário?”, questiona.

O vereador Rodrigo Falsetti (PTB) compartilha da mesma opinião. Para ele, o assunto se transformou numa saia-justa, já que o merecimento dos servidores efetivos da Câmara é evidente, mas não é suficiente para convencer na hora de votar favorável ao reajuste salarial. “Eu entendo que há mesmo defasagem nos salários deles e isso precisa, sim, ser corrigido, mas o índice de 20% é muito perante aos 4,23% que a categoria já recebeu da Prefeitura”, alegou.

Num tom mais diplomático, o vereador Jéferson Luís (PROS) defende que ainda é necessário conversar sobre o assunto, a fim de buscar outras propostas que possam, por exemplo, corrigir a defasagem salarial dos servidores efetivos da Câmara de maneira gradual. “Precisamos conversar melhor, porque essa conversa ainda não aconteceu. Eu entendo o posicionamento do Zanco e considero importante, mas a realidade é notória de que o momento não é ideal. Temos o desgaste moral para ser levado em conta também”, observou.

Rodrigo
Rodrigo

Para o vereador Guilherme de Sousa Campos, o Guilherme da Farmácia (PSD), faltou diálogo entre os vereadores e o presidente da Casa antes de o projeto de lei entrar para leitura no plenário. “Neste primeiro momento, eu não vejo como aprovar esse reajuste salarial, mas ainda precisamos conversar. Faltou diálogo para explicar detalhadamente toda essa proposta e avaliar os impactos”, afirmou.

Guilherme
Guilherme

O presidente da Câmara admitiu que deveria ter chamado os demais vereadores para conversar sobre a proposta do projeto de lei, o que não fez. “É porque achei tão óbvia a necessidade de corrigir essa defasagem e o impacto financeiro será tão pequeno que não esperava que fosse causar tanta polêmica entre os demais vereadores. Mas vou me reunir com eles para explicar melhor a proposta”, finalizou Zanco.

 

Post anterior

Fiscal identifica dono de entulho deixado em canteiro

Próximo post

Pedreiro vendia cerol e diz não saber que é proibido