Home»Destaque na Home»Vândalos defecam no parquinho de pré-escola

Vândalos defecam no parquinho de pré-escola

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

“As crianças estão assustadas”, disse a mãe de um aluno da Emei (Escola Municipal de Educação Infantil) “Professor Olavo de Oliveira”, no Jardim Planalto. Na segunda (8), ao chegarem à escola, as crianças souberam que no final de semana ladrões invadiram a cozinha e levaram a merenda. E nessa quarta-feira (10), as professoras contaram que a escola foi novamente invadida e levaram o gás, a carne da merenda e ainda defecaram no parquinho.

escola chaparralPara algumas mães, além do prejuízo financeiro e da vulnerabilidade da escola, as crianças ficam apreensivas, com medo. “A gente fica revoltada. Que a Educação coloque grades nas portas porque é repor o que levaram que eles voltam porque sabem que é fácil entrar”, sugere uma mãe.

A porta da cozinha foi ‘estourada’ no final de semana e uma tranca foi instalada, mas que não foi suficiente para impedir a nova invasão. Como as aulas não foram suspensas, a merenda foi enviada por outra escola.

Os guardas Edson e Justino receberam uma denúncia anônima às 4h45 de que havia indivíduos dentro da escola, mas ao chegarem não localizaram ninguém. Foi feito patrulhamento, mas sem suspeitos.

 

Ontem

Na Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) “Márcia Helena Martini Falsete Risola” a invasão ocorreu na madrugada da terça-feira (9). O caseiro da escola foi abrir a cozinha por volta das 6h para a chegada das merendeiras, quando percebeu o arrombamento.

A porta de ferro foi arrombada, assim como a porta de madeira da cozinha e da dispensa. De lá levaram um botijão de gás. Na secretaria, alguns papéis espalhados e um computador foi levado. Com a chegada dos guardas Francioli e Tito foi constatado que para entrar ao pátio que dá acesso à cozinha os invasores cortaram o alambrado do fundo da escola.

escola chaparral

A diretora Antônia de Fátima está há dois anos e meio na função e relata que esse é o primeiro furto que sofreu. Apesar das aulas não terem sido afetadas, ela lamenta o fato do computador ter sido levado, pois continha muitas informações da escola. O que resultará em mais trabalho para os funcionários recuperarem as informações escolares.

Como as escolas tem sido alvo de ladrões, a diretora já determinou o reforço das trancas com novas fechaduras além dos cadeados.

A secretária de Educação, Célia Maria Mamede, ressaltou em entrevista já concedida à Gazeta que já conseguiu dar andamento na licitação para a contratação do monitoramento por câmeras e alarmes e que aguarda o orçamento a ser feito pelas empresas do ramo. Célia foi informada que será preciso que funcionários visitem cada uma dos mais de 40 prédios educacionais e elaborarem um sistema para cada prédio, o que pode levar algum tempo.  

No final de semana, a Emei “Prefeito Altino Martini”, no Jardim Itacolomy, também foi invadida. Na última semana de abril, seis escolas haviam sido invadidas, furtadas e vandalizadas.

 

 

 

Post anterior

GAZETA GUAÇUANA, 9 de maio de 2017

Próximo post

Lixeira e veículos eram esconderijo de drogas