Home»Opinião»Tome Nota de terça-feira, dia 16

Tome Nota de terça-feira, dia 16

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Fardados
A gratuidade no transporte público de Mogi Guaçu deverá voltar a ser discutida. Isso porque, um projeto de lei de autoria do vereador Rodrigo Falsetti (PTB) irá trazer o assunto à tona. Ele propôs que os atiradores do TG (Tiro de Guerra), desde que estejam fardados, tenham direito à gratuidade no transporte público. Embora a intenção do vereador seja boa, o projeto não agradou nem a empresa que faz o transporte público na cidade nem a Prefeitura que fica na corda bamba quando é feito o pedido para o reajuste no valor da tarifa.

 

Até mais tarde

Outra lei que pode sofrer alteração pela Câmara de Mogi Guaçu é a que trata do horário limite para bares e lanchonetes oferecerem músicas ao vivo. Atualmente, essa prática é permitida até a 00h00 de sexta-feira, sábado, domingo e feriados, mas este horário poderá ser estendido caso a Câmara realmente faça o que pretende: oferecer uma alternativa para que este horário seja ampliado aos fins de semana na intenção de incentivar os bares e lanchonetes da cidade.

 

Não cola mais
O vereador Jéferson Luís (PROS) vem sendo um líder atuante para o prefeito Walter Caveanha (PTB). No entanto, alguns vereadores e até secretários municipais estão discordando da postura de Jéferson quando ele insiste em defender o Governo Municipal atribuindo as dificuldades da Prefeitura às administrações passadas. Isso porque, vereadores e alguns poucos secretários defendem que este argumento já está bem ultrapassado para continuar sendo dito. Além disso, Jéferson foi nomeado no governo do ex-prefeito Paulo Eduardo de Barros (PHS).

 

Às claras
O presidente da Câmara Municipal, Luís Zanco Neto, o Zanco da Farmácia (PTC), quer total transparência em todas as etapas do concurso público da Casa de Leis. Isso porque, devido a todos os imbróglios envolvendo o Legislativo guaçuano, Zanco acredita que qualquer entrave que houver durante a homologação do concurso público poderá ser motivo para mais polêmica tendo a Casa de Leis como protagonista. Sendo assim, Zanco quer o máximo de transparência.

Post anterior

Inscrições para concurso da Câmara começam dia 22

Próximo post

Editorial: Emprego dos sonhos?