Home»Caderno Multi»Pesquisa: Como está a sua saúde?

Pesquisa: Como está a sua saúde?

1
Compartilhamentos
Pinterest Google+

O Ministério da Saúde divulgou uma pesquisa, neste mês, que traz um retrato sobre a saúde do brasileiro na última década com dados inéditos sobre diabetes, hipertensão, excesso de peso, obesidade, entre outros.

As doenças crônicas não transmissíveis, chamadas de DCNT, são um dos maiores problemas de saúde pública da atualidade. No Brasil, as DCNTs são igualmente relevantes, tendo sido responsáveis, em 2013, por 72,6% das causas de morte com destaque para as doenças cardiovasculares (29,7%), seguidas das neoplasias (16,8%), doenças respiratórias crônicas (5,9%) e do diabetes (5,1%).

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), um pequeno conjunto de fatores de risco responde pela grande maioria das mortes pelas Doenças Crônicas Não Transmissíveis e por fração substancial da carga de doenças devido a essas enfermidades. Entre esses fatores, destacam-se o tabagismo, o consumo excessivo de bebidas alcoólicas, dietas inadequadas e o sedentarismo.  

A pesquisa de Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico) de 2016 foi realizada com adultos em todas as capitais do país. As estimativas fornecem a frequência de fatores de risco ou proteção para doenças crônicas, agrupados por temas que envolvem: tabagismo, excesso de peso e obesidade, padrões de alimentação, padrões de atividade física, consumo de bebidas alcoólicas, autoavaliação do estado de saúde, prevenção de câncer e morbidade referida.

 Multi Lian Gong

Por aqui

Em Mogi Guaçu, as estatísticas também apontam algo semelhante com a pesquisa nacional. A estimativa é de que o município tenha 18.048 hipertensos e 10.582 diabéticos, de acordo com os cadastros dos agentes comunitários de saúde das UBS’s (Unidades Básicas de Saúde). A assistente social Maria Georgina Franco Marumoto, da Secretaria Municipal de Saúde, afirma que “a hipertensão arterial sistêmica e o diabetes mellitus representam dois dos principais fatores de risco. A hipertensão afeta em torno de 18% da população adulta com mais de 20 anos. Aproximadamente 85% dos pacientes com AVE (Acidente Vascular Encefálico) e 50% das vítimas de infarto do miocárdio apresentam hipertensão associada”.

Dos 1.018 óbitos registrados no ano passado, 281 foram relacionados ao sistema circulatório, 169 por tumores e 152 referentes ao sistema respiratório.

Como medida preventiva o setor de Promoção de Saúde da Secretaria Municipal de Saúde desenvolveu oficinas de atividades físicas nos postos de saúde nos bairros. Pacientes com indicações podem participar de caminhada, ginástica, Lian Gong, vôlei adaptado, alongamento, hidroginástica e treinamento funcional.

TECNOLOGIA & SAÚDE

Aplicativos contra o sedentarismo

Movimente-se! Essa passou a ser a meta de muita gente, afinal, não adianta ter só uma alimentação saudável. É preciso também trabalhar o corpo. Mas o incentivo não tem sido só da família e de amigos. Muita gente só mudou os maus hábitos depois de deixar o consultório médico com notícias nadas agradáveis.

Gráfico - Vigitel 2016 - Saúde Brasileiro - CópiaSegundo pesquisa realizada pela Consultoria e Corretora de Seguros Aon, ficou constatado que pessoas com IMC (Índice de Massa Corporal) acima de 30 (consideradas obesas) gastam, em média, 3 a 4 vezes mais com a manutenção da saúde. Isso pode significar mais consultas médicas ou mais uso de medicamentos.

E não é só isso. Até as empresas desembolsam mais com funcionários que não cuidam bem da saúde. Na hora de renegociar os contratos com os convênios médicos, as empresas pagam por esse gasto extra. Se a taxa de sinistralidade estiver acima de 100%, o valor certamente será reajustado para cima.  “Muitas empresas criam programas de prevenção para melhorar a saúde dos funcionários e observam quedas nos custos de saúde, quando a utilização dos planos diminui”, explica Rodolfo Milani, consultor médico da Aon Brasil e professor colaborador da USP em nota enviada à Gazeta.

Gráfico - Vigitel 2016 - Saúde Brasileiro 2

Na região

A própria empresa de assistência médica, a Unimed Regional da Baixa Mogiana já desenvolve um programa de medicina preventiva. O objetivo do “Viva Bem” é desenvolver hábitos saudáveis e, com isso, prevenir doenças. São ações de consultoria com especialistas e incentivo de atividades físicas, como a caminhada.

No mês passado, a Unimed também aderiu a uma campanha nacional que estimula não apenas os usuários de seu plano, mas toda a população da Baixa Mogiana.  A coordenadora de Marketing/Responsabilidade Social, Priscila da Silva, explica que para receber incentivos diários é preciso se inscrever na plataforma – www.mude1habito.com.br. “No site tem dicas, inspirações (depoimentos) e basta escolher o hábito que deseja mudar. A ferramenta é fácil e dinâmica”.

Não é preciso começar mudando hábitos drasticamente. A ideia é que você possa escolher, por exemplo, dormir melhor, usar menos a internet e o celular, se alimentar melhor e com mais qualidade e até começar a prática de atividade física.

 

Anote aí

Para quem já começou a se movimentar ou quer começar, amanhã (21) será realizada a II Corrida e Caminhada Unimed. A largada será às 8 horas, no centro esportivo “Antônio Campano”, no Jardim Bela Vista. A expectativa é contar com a participação de aproximadamente 600 pessoas.

Exames Preventivos_Quadro

Imagem ABRE 1 - Saúde BrasileiroPesquisa sobre estado de saúde é feito

 Durante a pesquisa, os entrevistados fizeram uma autoavaliação de seu próprio estado de saúde geral e 3,1% das pessoas avaliaram negativamente o seu estado de saúde, sendo essa proporção maior em mulheres (4,1%) do que em homens (1,9%). Em ambos os sexos, a frequência dessa condição  aumentou com a idade e diminuiu com o aumento da escolaridade, especialmente entre as mulheres.  

A Gazeta foi às ruas com os dados da pesquisa e o guaçuano também se avaliou. 

 

 Jessica multi entrevista Saúde

“Minha saúde não está bem. Não tenho essas doenças, mas sofro com a tireoide e aguardo uma cirurgia no útero devido à endometriose. Não sei mais o que fazer. No mais, sei que deveria caminhar, andar mais. Não bebo e não fumo, mas nem sempre controlo a alimentação”.

Jéssica Fernandes Machado é babá.

 

 antonio entrevista sade

“Não tenho essas doenças crônicas e se fosse dar uma nota de 1 a 5 digo que minha saúde é 5. Faz 40 anos que não bebo, não uso drogas e não fumo. E ainda caminho, corro e faço ginástica todos os dias, quando não tenho trabalho”.

José Antônio Fressatto é ator.

 

angela multi saude

“Tive tuberculose em 1992 e fiquei com sequelas e tenho metade de um pulmão comprometido. Eu me alimentava mal, à época, e cheguei a pesar 34 kg. Hoje eu cuido da minha alimentação, como muita salada, bebo bastante água, leite e faço torta de legumes. Sempre caminho e durmo no mesmo horário”.

Ângela Aparecida dos Santos é diarista.

vicente multi saude

“Parei de fumar em 1993 e fui corredor, corria 24 km. Hoje o sistema em que vivemos não permite. Trabalho dia e noite. Tive um infarto há três semanas, mas estou bem. Creio que tenho boa saúde. O médico pediu para eu fazer caminhada, evitar comida gordurosa, que já evito, mas não tenho tempo para caminhar. Se tivesse esse tempo seria maravilhoso”.

Vicente da Silva Erroi é vigilante.  

 

Post anterior

Editorial: O lixo é nosso

Próximo post

Tome Nota de sábado, dia 20