Home»Cidade»Equipe é convidada para Feira no Equador

Equipe é convidada para Feira no Equador

Projeto desenvolvido por alunos é para resfriamento de ambiente, através de captação da água da chuva

2
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Projeto de resfriamento de ambiente com captação de água da chuva foi desenvolvido por alunos do 3º ano do ensino médio da escola estadual “Padre Longino Vastbinder”, que oferece ensino em tempo integral. O trabalho foi apresentado na Febrace (Feira Brasileira de Ciência e Engenharia), realizada na USP (Universidade de São Paulo), o que resultou em convite para exposição no Equador. O detalhe é que o grupo não tem recursos para a viagem orçada em R$ 20 mil, aproximadamente.

Com isto, o sonho de participar da feira em outro país vai ficando cada vez mais distante, pois a confirmação deve ser feita até o próximo dia 17. O grupo, claro, deseja muito participar porque é uma forma de divulgar o projeto e conhecer outras ideias tão criativas quanto dos jovens alunos.

Projeto Escola Padre Longino ItacolomiA esperança é que algum empresário patrocine a viagem de trabalho do grupo que é formado pelos alunos Kevin Lincon Obole Vieira, Taynara Azevedo e Guilherme José Oliveira, todos com 17 anos, sob a orientação dos professores Eliandro Rezende da Silva (Física e Robótica) e Daniel Sterzo (Física e Iniciação Científica).

A ideia de desenvolver o projeto surgiu a partir da observação de um problema que afeta a todos na escola, que é o calor no refeitório. Depois da discussão sobre alternativas possíveis, inclusive do uso de aparelhos de ar condicionado, chegou-se ao consenso de resfriamento, considerando o baixo custo e a questão ambiental. Isto porque, o projeto usa água da chuva e reaproveita essa água por meio de filtragem. O projeto começou a ser desenvolvido em abril de 2016.

A diretora Ângela Maria Cardoso e a coordenadora de área Lucimara Rezende Del Vechio observam que esta possibilidade de trabalho se dá pelas aulas eletivas que consideram o projeto de vida do aluno, ou seja, qual área de estudo pretende seguir. “Neste projeto, por exemplo, todos pretendem seguir cursos da área de exatas”, pontua Lucimara. De fato, Taynara e Guilherme planejam cursar engenharia civil e Kevin engenharia mecatrônica.

Taynara - Guilherme e Kevin Projeto Escola Padre Longino Itacolomi

PROJETO

O projeto levado para a Febrace e ao 2º Simpósio Regional de Iniciação Científica de Mogi Mirim recebeu convite também para congressos em Sorocaba e Bragança Paulista. Além disto, está entre os 30 finalistas da FeCEESP (Feita de Ciências das Escolas Estaduais de São Paulo).

A ideia é utilizar seis tambores de 200 litros para armazenar a água da chuva que é captada por sistema de calha instalado no telhado do refeitório. Essa água é captada e jogada sobre o telhado. Ao evaporar, a água leva o calor, reduzindo a temperatura da telha e também do ambiente (refeitório). Essa água passa por um filtro e por um resfriador de calor, o que permite que retorne ao reservatório e, posteriormente, ao telhado repetindo o processo de resfriamento.

O horário de funcionamento do sistema também é programado para o horário das 10 às 13 horas. O sistema é autônomo, sendo acionado quando a temperatura estiver igual ou superior a 28º C. Os estudos apontaram uma redução de até 6º C da temperatura ambiente.

Taynara - Guilherme e Kevin Projeto Escola Padre Longino Itacolomi

PRÁTICA

Colocar o projeto em prática na escola, claro, é meta do grupo. Para isso, a comunidade escolar está batalhando a instalação da calha, a compra de bomba e de um trocador de calor. Isto porque, já têm filtro e os tambores. Os equipamentos foram solicitados para empresas locais.

O custo mensal de manutenção do projeto será de R$ 125, ou seja, muito menor que o apontado em estudo com o uso de ar condicionado, que equivaleria a R$ 525 mensais.

Post anterior

Encontro de Coros faz homenagem a Gilmar

Próximo post

Snakes River estreia com vitória em Piracicaba