Home»Artigos»Artigo: Matéria concluída. E com sucesso

Artigo: Matéria concluída. E com sucesso

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Nessa sexta-feira (12), o jornalismo ficou mais triste. Não o jornalismo regional, nem o impresso, tampouco a comunicação nos órgãos públicos. O que ficou mais cinza foi a arte de fazer o bom jornalismo. Não foi necessário ter convivido diariamente com Valter Abrucez – e infelizmente eu não tive essa oportunidade – para saber o quanto ele representou e seguirá representando para quem vive e ama o jornalismo. Desnecessário aqui enaltecer a qualidade do texto e a influência de Abrucez nas gerações de jornalistas que passaram pelas mais diversas redações país afora, entre elas, a da Gazeta Guaçuana.

Seu nome tem um peso capaz de estremecer num primeiro momento qualquer profissional de experiência considerável na área, assim como suas histórias e conhecimentos possibilitavam qualquer um deles lapidar seu trabalho e contagiar-se pela profissão. Valter Abrucez foi daqueles chefes duros, mas de coração grande, capaz de compartilhar ensinamentos e passar lições diárias. Tinha seus hábitos peculiares e características de um jornalismo que, se já não é mais tão corriqueiro, deixa saudades até aos menos saudosistas.

Foi criativo, perspicaz e convicto de seus ideais e da importância que o bom jornalismo tem para a sociedade. Abrucez era tão preocupado com a rotina das redações que nos deixou na madrugada de uma sexta-feira, período de efervescência dos trabalhos nos áureos tempos da “imprensa escrita”, e com folga suficiente para que nenhum colega de profissão se atrapalhasse com o deadline junto aos seus editores nos periódicos do final de semana.   

Em uma das últimas conversas que tive com ele neste ano, Valter Abrucez parabenizou-me pela indicação à Secretaria de Relações Institucionais, na vizinha Mogi Mirim, desejou-me sorte e alertou-me dos caminhos espinhosos que estariam por vir. Não estava errado. Mais uma das valiosas dicas do mestre Abrucez. E ao jornalista que não recebeu uma delas que seja, direta ou indiretamente, que atire a primeira lauda.

 

Beto Amorim é jornalista, diretor da Gazeta Guaçuana e Secretário de Relações Institucionais da Prefeitura de Mogi Mirim

Post anterior

Paulista vence Itaqui e leva o título do Cinquentão

Próximo post

Rua Lúcio Bueno é pavimentada