Home»Polícia»Após morte em clube, B.O. é registrado contra o Samu

Após morte em clube, B.O. é registrado contra o Samu

A falta de médico na ambulância do Samu no momento da ocorrência registrada no domingo (16) motivou o Boletim de Ocorrência

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

A secretária de Saúde de Mogi Mirim, Rosemary de Fátima Silva, registrou um Boletim de Ocorrência contra a falta de médico na base do Samu, após o falecimento de um sócio do Clube Mogiano. O gerente Robson Oliveira Laprovitera, 44 anos, estava com o sobrinho, quando passou mal após atividade física na piscina. Era por volta das 10h do domingo de Páscoa (16).

Segundo informou a assessoria de comunicação da Prefeitura mogimiriana, a secretária tomou essa atitude para se preservar como gestora municipal de Saúde.  Segundo o Boletim de Ocorrência, Rosemary soube que a médica da ambulância do Samu não compareceu ao plantão e que o coordenador médico sabendo da ausência da profissional deveria ter escalado outro servidor ou assumido o plantão.

O coordenador Geral do Samu, Wagner Tadeu Cezaroni, afirma que não houve falhas no atendimento à vítima mesmo com a dificuldade da passagem da ambulância pela entrada do clube. O veículo não conseguiu chegar até a piscina e a equipe teve de se deslocar até o local a pé com a maca.

Ainda segundo Cezaroni, as massagens cardíacas feitas pelo salva-vidas da piscina e o atendimento da equipe de enfermagem do Samu até a chegada, em dois minutos, na Santa Casa foram realizados corretamente. De acordo com ele, eles conseguiram manter a vítima estabilizada e viva até a chegada ao hospital.

O coordenador geral informou ainda que o atendente do 192 na Regulação Central considerou que seria mais rápido remover a vítima ao hospital onde haveria mais estrutura de atendimento do que deslocar um dos médicos que estavam de plantão nas bases de Mogi Guaçu e Itapira até o local da ocorrência.

Ao lamentar a fatalidade da morte do gerente, Cezaroni diz que vai aguardar o laudo médico feito pelo IML (Instituto Médico Legal) e explicou que a médica não havia ido trabalhar por problemas de saúde. O falecimento de Laprovitera foi registrado na Polícia Civil como morte suspeita.

Post anterior

Artigo: VEJA: A vez de Aécio

Próximo post

Câmara se posicione contra a legalização do aborto no país